Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei. Sempre São João del-Rei! Salve São João del-Rei!


Não são poucos os que, olhando a São João del-Rei de hoje, suspiram, pesarosos.  Que com olhar distante, perdido no horizonte, lamentam os casarões e palacetes erguidos nos séculos passados que foram demolidos nos últimos 75 anos, dando um ritmo arquitetônico alternado e incomum a diversas áreas do nosso espaço urbano. E, nostálgicos e pessimistas, sentenciam: "É uma pena; não tem mais jeito!

O Almanaque Eletrônico Tencões e terentenas pensa diferente. Quando vive a cidade fisicamente, ou a mira virtualmente, enche o peito e pensa: "Como é belo, rico e importante o muito que ainda existe em São João del-Rei! Como, nos últimos tempos e a cada dia, mais nosso patrimônio se fortalece, ganha visibilidade positiva e responsável, conquista garantia de perpetuidade e proteção, recebe zelo, cuidado e dedicação de vários setores da sociedade são-joanense!

Na última semana, duas menções na imprensa - uma no jornal local Gazeta de São João del-Rei e outra no canal nacional Globonews - provam que esta convicção não é sem fundamento.

A Gazeta, na sua edição do dia primeiro de fevereiro, traz na matéria "Prédio ao lado da igreja das Mercês poderá ser derrubado" uma notícia muito positiva para o patrimônio arquitetônico de São João del-Rei: a determinação judicial de demolição ou adequação às normas técnicas de um edifício de dois andares em construção nos fundos do Cemitério da Irmandade das Mercês, que tem forte  e negativo impacto visual na paisagem que envolve uma das igrejas que mais se destacam no centro histórico. Tal sentença vem de Ação Civil Pública, da Promotoria de Justiça e Defesa do Patrimônio Histórico de São João del-Rei, que condenou tanto o proprietário, pela construção, quanto a Prefeitura Municipal, por ter sido negligente no cuidado com a paisagem histórica que faz parte da memória nacional (link abaixo)

À questão ainda cabe recurso, mas foi uma importante manifestação do Ministério Público em relação à proteção do patrimônio cultural são-joanense.

No canal Globonews, o jornalista Fernando Gabeira, em um programa exclusivo sobre São João del-Rei, mostrou como os sinos têm um papel importantíssimo na cultura são-joanense, inclusive influindo com grande força na sonoridade e na musicalidade que são próprias de nossa cidade.

O programa derivou de uma curiosidade de Gabeira: quando esteve em São João del-Rei em 1985, cobrindo jornalisticamente o enterro do presidente Tancredo Neves, o autor de O que é isto companheiro? ficou impressionado com a intensa e ostensiva presença dos sinos, adensando com seus toques fúnebres, durante todo o dia 21 de abril, a ambiência de consternação que as exéquias do presidente morto tiveram em sua terra natal.

De volta a São João del-Rei 29 anos depois para verificar se esta tradição se mantinha, e com tanta força, Gabeira constatou que sim, tanto nas suas andanças pelo centro histórico quanto em entrevistas que realizou com vários sineiros. E a matéria foi ao ar nacionalmente no dia 26 de janeiro e certamente será também apresentada outras vezes, ao longo dos próximos meses.

Gabeira encerra o programa manifestando cuidado para que os toques dos sinos, no futuro, não se transformem em lembranças e registros para museus, a exemplo das linhas de trem que partiam de São João del-Rei e foram desativadas.

Conhecendo o povo de São João del-Rei e sendo testemunha, pelo sentimento próprio, do amor que os são-joanenses têm por sua terra, Tencões e terentenas afirma, com convicção e tranquilidade, que isto não acontecerá.

Principalmente porque
no peito de cada são-joanense, o que bate é um sino!
...........................................................................

Fontes
Globonews - http://globotv.globo.com/globo-news/fernando-gabeira/v/sao-joao-del-rei-ainda-e-a-cidade-onde-os-sinos-falam/3104489/

Gazeta de São João del-Rei http://www.gazetadesaojoaodelrei.com.br/site/2014/01/predio-ao-lado-de-igreja-podera-ser-derrubado/





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …