Pular para o conteúdo principal

Lembrando os antigos carnavais, São João del-Rei pode rimar alegria e folia com soberania e cidadania!


Não são só a lembrança e a saudade dos são-joanenses mais velhos que dizem. Fotografias, panfletos, jornais antigos, marchas-rancho e sambas testemunham como era singular e grandioso o Carnaval de São João del-Rei por quase oito décadas no século XX.

Esta fotografia, de 1923, mostra como era aristocrático, respeitado, elegante e refinado o Club X - no estandarte identificado como X PTO.  O Rancho Carnavalesco Custa Mas Vae,  na marcha-rancho composta em 1929, para servir-lhe de hino, esnobou lirismo, erudição e conhecimento da mitologia grega para exaltar uma das mais antigas agremiações carnavalescas de São João del-Rei. Seu compositor, J. Colombiano, vulgo Collombo, assim escreveu:

                "Como estrela a cintilar
                  a luzir lá no céu / sempre azul.
                  Tal é o Custa Mas Vae
                  rivalizando com o Cruzeiro do Sul.

                               Phebo morre de ciúmes de ti
                                porque brilhas no Carnaval.
                               Vênus te rende homenagens.
                               És o Rancho Escola
                               o Rancho ideal.

                        És forte como Hércules,
T                     eu passado é de glória.
                        Tens um porvir glorioso,
                        viva a folia, viva a vitória!

                                 És bravo com denodo,
                                 e todos de ti bem dizem.
                                 Do Carnaval és a nata,
                                 brava gente heróica e juvenil.

                            Qual farol que ilumina o caminho,
                            tu és vencedor.
                            Sempre, sempre altaneiro,
                            brilhas com muito e com grande esplendor.

                                     Do civismo és a alta expressão.
                                     Tu jamais serás abatido.
                                     Timoneiro valoroso,
                                     és o Rancho Escola,
                                     o Rancho ideal!"

Por tanta beleza e tanta riqueza, já é hora de se começar a pensar na criação de um pequeno memorial do Carnaval de São João del-Rei - ação que bem pode ser capitaneada pela Secretaria de Cultura, dedicando para isto uma sala do Museu Tomé Portes del-Rei. Ninguém melhor do que a Associação São-joanense das Escolas de Samba, Blocos e Ranchos  para sair em campo na busca de materiais como fotografias, fantasias e adereços, desenhos de figurinos e alegorias, letras, gravações e partituras de sambas-enredo. Tudo com a participação e apoio dos antigos e novos carnavalescos, foliões, intelectuais, historiadores e ONGs que se dedicam à questão da cultura e da memória.

Aliás, por falar nisso, há anos a Atitude Cultural atua com esta visão. Além de criar o Carnaval de Antigamente, formou um banco eletrônico de imagens sobre o tema, a partir de imagens digitais cedidas pelos próprios carnavalescos, foliões e por suas famílias. Este material está o tempo todo disponível na internet e, na ocasião do Carnaval, sai às ruas para exposições itinerantes a céu aberto.

Quem foi que disse que folia e alegria não podem rimar com soberania e com cidadania? Só depende de intenção, participação e colaboração. Vocação para a felicidade? São João del-Rei já tem...

Uma curiosidade: pelo desenho do estuque da platibanda da fachada das casas ao fundo, pode-se arriscar que o local da fotografia é a antiga Prainha (hoje região do Terminal Turístico) Esteve o Pelourinho ali instalado no começo do século XX?


Leia também
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2012/01/blog-post.html


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …