Pular para o conteúdo principal

Festa do Carmo. A fé abraça a festa. Em São João del-Rei, ser feliz não é pecado!...


De janeiro a dezembro, é difícil dizer qual mês é mais rico de tradição, fé e encantamento no sofisticado calendário religioso de São João del-Rei.

Seja nas celebrações dolorosas, como a Festa de Passos e a Semana Santa, seja nas comemorações gloriosas, como as novenas e procissões em homenagem aos santos e às Nossas Senhoras - por todas elas o povo são-joanense nutre grande dedicação, empenho, zelo e cuidado. Profundo, intuitivo e devotado senso estético, faz com que tudo - música, flores, cores, perfumes, sabores, ritmos, calores - se aproxime do sublime e do divino, tornando as pessoas arrebatadas, enlevadas, alegres e felizes.

Julho, por exemplo, é o mês da Festa de Nossa Senhora do Carmo. A partir do dia 7, por dez dias, missas, novenas barrocas, procissões, bandas de música, fogos de artifícios, toques de sino, barraquinhas de canjica branca e morena, pé-de-moleque e quentão, devolvem ao Largo do Carmo a vitalidade que aqueles arredores tinham há duzentos anos. Mesmo as pessoas mais simples, que a qualquer hora do dia caminham para a igreja, envergam e empunham solenidade respeitosa, própria de um momento incomum.

Contudo, os são-joanenses sabem que as riquezas sentimentais de sua cultura e religiosidade têm como cofre a memória e o coração. Por isso, além do cartaz e do programa das cerimônias religiosas, muito pouco produzem como lembrança deste momento anualmente singular. Joia preciosa neste sentido é o CD Novena do Carmo, gravado pela Orquestra Ribeiro Bastos em 2010, sob regência da saudosa maestrina Maria Stella Neves Valle.

Composto por nove peças musicais (invocatórios, saudações, coros e hinos) compostas nos séculos XVIII e XIX para serem parte da novena, o CD é uma preciosidade, tanto pela autenticidade da execução musical quanto pelo despojamento da gravação. Como tudo o que é raro nem sempre está ao alcance da mão, não costuma ser fácil encontrá-lo à venda nos arredores da igreja. Diante desta situação, aí vai uma pista para os garimpeiros culturais: (32) 3372-2011 / 9968-2703 são os telefones do Studio Via 8 Produções (studiovia8@hotmail.com), que produziu o disco. Outra dica é fazer contato diretamente com a Orquestra.

...........................................................................
Sobre o mesmo tema, leia também
http://www.diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2012/07/festa-barroca-de-nossa-senhora-do-carmo.html
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2012/07/igreja-do-carmo-brilho-luminoso-estrela.html
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2012/07/o-fotografo-que-viu-o-ceu-nas-barrocas.html
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2013/05/maestrina-stella-neves-vale-rege.html



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …