Pular para o conteúdo principal

Missa do Aleluia. Um dos mais belos ritos da Semana Santa de São João del-Rei


Depois do esplendor, do encantamento e da intensidade maravilhosamente sensorial e dramática que são a Festa de Passos – desde as Vias Sacras até o Setenário das Dores, passando pelas rasouras e procissões do Encontro – e a Semana Santa de São João del-Rei – desde o Ofício de Ramos, até os ofícios de Trevas, o Canto da Paixão, Adoração da Cruz, descendimento e Procissão do Senhor Morto – é praticamente impossível imaginar que, complementando as celebrações da Paixão de Cristo, ainda possa haver algo uno, e de tamanha beleza, que seja capaz de exaltar de prazer todos os sentidos, da visão ao olfato, da audição ao tato. Mas existe. É a Missa do Aleluia!

Diferentemente de outras ocasiões, em uma das três portas principais da matriz do Pilar, há velas a venda, que as pessoas tranquilamente compram e conservam apagadas. Nas 20 horas que neste dia o relógio não bate, o ritual começa em absoluto silêncio, do lado de fora, do lado esquerdo de quem sobe o adro da igreja, então guarnecido por dentro pelos irmãos do Santíssimo Sacramento. Ali se acende o fogo sagrado, o oficiante  marca o grande círio pascal, que acende, e adentra afastando a penumbra do templo, de tempos em tempos quebrando também o silêncio, com um longo e pausado anúncio em voz alta: lumen Christi!, que o povo responde quase no mesmo tom: deo gratias! O cortejo de sacerdotes vem logo atrás e, com suas velas acesas, reparte o fogo e a luz com os fiéis, que também compartilham entre si a chama e o calor. Além do cheiro das velas e do incenso, há muita expectativa e certeza no ar.

Já no altar-mor, começa o rito de orações e cânticos. Leituras firmes contam a história de um Deus seguro em seus atos, determinado contra os que o desobedecem. Em muito diferente do cordeiro complacente, imolado na véspera e arrastado em procissão pelas ruas tortas, escuras e centenárias de São João del-Rei. Entre leituras e antífonas, pouco a pouco vão se acendendo as velas do altar-mor, antes totalmente despido de enfeites e agora, quase magicamente enfeitado de flores que vão surgindo suavemente entre os altos castiçais de prata.

É a hora do Glória, quando todas as luzes da Matriz do Pilar se acendem, todos os sinos das igrejas do centro histórico dobram e repicam, foguetes estouram no céu e a Orquestra Ribeiro Bastos canta o exultantemente. A cortina branca e vaporosa do altar-mor se abre e, à medida em que a densa nuvem de incenso vai dissipando, aparecem, entre flores brancas e velas acesas, Jesus subindo ao céu, com a mão direita erguida, deixando ver uma a chaga, ainda viva e exposta, e na mão direita um pequeno estandarte branco, que tem ao centro uma cruz dourada - sinal da fé vitoriosa. E também a Virgem do Pilar, tendo no braço esquerdo o menino Jesus. Os dois ostentam soberana majestade, com a coroa feita com o melhor e mais puro ouro da Serra do Lenheiro, colhido e doado pelos garimpeiros de São João del-Rei.

Ao longo da missa, as surpresas não param. Na capela-mor, um recém-nascido e um adulto pagão são batizados e, na nave da igreja, os fiéis acendem novamente uns aos outros suas velas, renunciando a Satanás e renovando as promessas do batismo.

Tudo é festa, tudo é alegria, Aleluia! As notas musicais que a Orquestra toca e canta durante todo o rito dançam felizes entre as pessoas e evoluem em espirais em volta dos anjos dourados, no mais sublime e circular entusiasmo, Ouve-se então o canto das Matinas da Ressurreição, compostas no século XIX pelo padre José Maria Xavier, especialmente para a noite do Sábado Santo.

Completam-se, então, exatas três horas de celebração do Aleluia, quando novamente os sinos dos Passos e do Santíssimo Sacramento dobram vigorosos e felizes durante quase 15 minutos. Termina, assim, a solenidade que festeja a saída de Cristo do sepulcro, vencendo a morte e as trevas, per saecula saeculorum...

...................................................
Texto: Antonio Emilio da Costa
Foto: Marcos Luan (colhida na internet)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…