Pular para o conteúdo principal

As linhas da mão e a fibra real do coração de São João del-Rei


Cidade colonial, barroca, as linhas de São João del-Rei, em sua maioria, são curvas. Curvas telhas, curvas torres, curvas beira-seveiras, curvas pontes, curvas conchas, rocalhas e volutas, curvas barroquices, como a curva lua crescente de prata que firma o pé de Nossa Senhora da Assunção, em sua subida ao céu no dia 15 de agosto. Diferentes destas, tem também a linha do trem, paralela e reta, que agora só leva à vizinha Tiradentes...

Mas além destas, tem muitas outras linhas, que desenham o passado no presente, mostrando às vezes o que, a olho nu, no corre-corre da rotina, muitas vezes não se vê: as tramas do pau-a-pique das velhas paredes, os detalhes das aldabras e dos gradis de ferro batido, a harmonia secular das pedras pé-de-moleque, as nervuras e formatos das pétalas e das folhas de nossas plantas devocionais e da medicina popular. Tudo isso tem fibra, e esta fibra é real.

Isso mesmo: Fibra Real é o nome de um projeto são-joanense muito interessante. Discreto como os mineiros, em especial os são-joanenses, ele traz à vista detalhes preciosos e hoje quase desconhecidos, da cultura de São João del-Rei, na capa de cadernos de anotação, agendas, cartões, moleskines, sacolas ecobags - tudo com estampa no formato das tramas, dos veios, das veias e das linhas que falamos acima. Tudo com papel artesanal de fibra de bananeira e no mais puro algodão. Eles bem que podiam fazer camisetas, almofadas, copos, canecas e outros trecos...

Cabaças, antigamente tão comuns no dia a dia das esfumaçadas e cobiçadas cozinhas de São João del-Rei, hoje são matéria prima para as produções do grupo de artesãs e artesãos, e viram luminárias, abajures, pendentes, móbiles, objetos de decoração e até bonecas, morenas e sedutoras.

E por falar em bonecas, a turma do projeto Fibra Real é muito hábil em criar com elas bonecos tríplices, de pano, lã, cordão, malha e contas, que contam as quase esquecidas lendas de São João del-Rei: a mulher que seduziu um padre e virou mula-sem-cabeça, o defunto que o diabo carregou para o nunca mais, a velha bisbilhoteira que se encontrou com a morte e não conseguiu escapar de sua foice, e tudo o mais que é fantástico e, décadas atrás, tirava o sono das crianças e deixava arisco muito adulto. Se acredita, então ganha vida, existe!

Ah, como encontrar esse povo de Fibra Real? No Largo do Rosário, entre a Catedral do Pilar e o Museu de Arte Sacra, onde eles mostram o que fazem, oferecendo para que todos levem para casa, na forma de seus produtos, um pedaço da cultura de São João del-Rei.

....................................................
Texto: Antonio Emilio da Costa
Ilustração: capa do folder do projeto



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …