Pular para o conteúdo principal

Maestrina Stella Neves Vale rege estrelas, auroras e crepúsculos na pauta celeste de São João del-Rei

Quando a noite do domingo passado, 28 de abril, chegou, cobriu com um manto negro o coração de São João del-Rei. Estrelas e lua cheia, sem clave de sol, no céu se organizaram em pauta silenciosa, a espera da maestrina que a partir de então as regeria. Os sinos, como poucas vezes nos trezentos anos da Vila de São João del-Rei, fizeram 24 horas de silêncio, solidários com a Música, que aqui perdera os braços de sua mãe. Dona Maria Stella Neves Valle deixou o mundo às 18 horas.
Deitada placidamente com o uniforme preto da Orquestra Ribeiro Bastos, no centro da sede da Sociedade de Concertos Sinfônicos, suas mãos agora inertes acariciavam flores brancas notas musicais - ternura eterna dos anjos negros-dourados-barrocos que comandava nos coros das igrejas de São João del-Rei. Agora Dona Stella ajudará o Criador a reger a sinfonia do universo, acenando as mãos com determinação carinhosa e austera para orientar estrelas, planetas, luas, cometas,  brisas, estações, ventos, auroras e crepúsculos na pauta da abóboda celeste de sua São João del-Rei.
Na Matriz do Pilar, mirando de olhos cerrados o teto que espelha seu novo destino, ouviu mais uma vez - não pela última - trechos da Missa Breve do Domingo de Passos, Christus factus est e lamentosos responsórios dos Ofícios de Trevas.
Depois, atravessou o Largo do Rosário, seu caminho de todo dia, mas desviou-se à direita e, contrariando sua rotina, não adentrou a Rua Santo Antonio. Convicta e firme como sempre fora, subiu o beco-ladeira da Muxinga, passou em frente à capela do Divino Espírito Santo, ouviu o Miserere e cruzou a porta eterna que a levou para junto de seus pais.
No entardecer daquela segunda-feira, quando o sino das Almas, choroso, tocou Ângelus, um conforto aliviou o coração do povo de São João del-Rei: o legado que a maestrina Maria Stella Neves Valle, dona Stella, deixou é infinito. Tanto, que por maior que doravante seja o sentimento por sua ausência, jamais conseguirá se assemelhar a tudo o que ela, generosamente, fez pela cultura, pelos músicos, pela Orquestra Ribeiro Bastos, pela música barroca, por São João del-Rei, por Minas Gerais e pelo Brasil. Isto sem dizer que a música é patrimônio universal... 
Estrela luminosa da Orquestra, Dona Stella agora é a mais nova orquídea do buquê roxo do Senhor dos Passos!
+ . + . + . + . + . + . + . + . + . +

Comentários

  1. Bela homenagem Emilio! Não a conhecia mas é engraçado como a música nos aproximava e assim nos tornávamos íntimas.
    Abçs

    ResponderExcluir
  2. KK, Dona Stella merece.

    Há conheci desde sempre e - apesar de não termos grande proximidade - era (e é) grande a admiração e o respeito que ela tem de mim por sua dedicação, firmeza e convicção. Acho que doravante o cultivo da música barroca em São João del-Rei pode ser dividido em duas eras: aDS e dDS (antes de Dona Stella e depois de Dona Stella).

    Grande abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…