Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei é múltipla, plural e diversa, no tempo e no espaço


A riqueza arquitetônica de São João del-Rei é muito maior do que muita gente imagina. Ela é dinâmica, evolutiva e por isso documenta, com os diferentes tipos de fachadas e elementos visuais, a evolução econômica, social e cultural pela qual passou a cidade nos últimos três séculos.Isto, sem dúvida, a difere de outras cidades históricas cuja arquitetura, se por um lado é mais harmônica e uniforme, por outro é mais limitada do que abrangente, porque registra um único período histórico-econômico.

A visão ampla e a compreensão da realidade como um processo dinâmico mostram como é equivocado julgar uma cidade histórica mais valiosa e importante do que outra simplesmente porque esta retrata apenas um momento estático e aquela outra corajosamente arrisca apresentar esteticamente toda a dinâmica de sua história. Simplificando, é como se uma fosse um livro de um único capítulo, com ilustrações semelhantes, falando de um único fato, e a outra uma obra em que o herói, em sua epopeia, vivesse por muitos séculos, acompanhando as transformações do mundo.

É verdade: em grande parte a paisagem urbana são-soanense  foi se transformando naturalmente. Espontaneamente vários estilos arquitetônicos foram se acrescentando uns aos outros, se sucedendo à medida que o núcleo urbano ia se expandindo e abrigando novas funções. O século XIX espremeu o século XVIII, roubou-lhe um pouco sua face esplendorosa, assim como fez com o século XIX a urbanização, a industrialização, a estrada de ferro e tudo o que aconteceu no começo do século XX. O adensamento populacional, os novos padrões de moradia, conceitos de higiene e saúde pública, a maior demanda por infra-estrutura urbana e serviços básicos, o transporte público, o aumento do número de automóveis, e tudo o mais deixaram marcas, tão acentuadas quanto foram acontecendo e se impondo.

É certo: desde sua origem, São João del-Rei não ficou parada no tempo e isto, sem dúvida, interferiu muito na diversidade de sua paisagem. Do mesmo modo, as pessoas de visão, que conseguem ver esta dinãmica, não lamentam essa face espontânea que a própria cidade, no seu existir, construiu. Nem a desqualificam, diminuem nem menosprezam por este modelo espontâneo de desenvolvimento, que precedeu à consciência da riqueza que o patrimônio do tempo passado representa.

Hoje, menosprezar, subdimensionar ou desqualificar São João del-Rei por sua paisagem arquitetonicamente diversa não só é sinal de desinformação, quanto também é um ato de má fé e até de crueldade, pois reforça os argumentos de quem utiliza esta justificativa para destruir a paisagem histórica e seu entorno desta velha cidade.

Quem sabe o valor que têm os vários estilos que sucederam o colonial e o barroco certamente percebem o quanto São João del-Rei é múltipla e plural. SabeSão  quanto, em grande parte, a diversidade estilística em geral é harmônica e dialoga bem em certas áreas do centro histórico e que as notas gritantes e os acordes dissonantes surgiram principalmente nas últimas cinco décadas, cada vez mais nos últimos anos, amparados no discurso de que, se quase tudo já se perdeu, por que então preservar o que ainda resta?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…