Pular para o conteúdo principal

O Natal de São João del-Rei é encantado e dura quase um mês!


Nem todos percebem, mas o Natal em São João del-Rei dura muito tempo, quase um mês. Começa no dia 15 de dezembro, com a Novena do Menino Jesus, na Igreja do Rosário, e vai até o dia 6 de janeiro, quando se festeja o Dia de Reis.

Assim como o Ano Novo, com quem se abraça e se embaraça, o Natal, como um todo, é uma festa ao mesmo tempo sacra, religiosa e profana, pois em São João del-Rei envolve de tudo um pouco. Rezas populares, tradições barrocas, encenações teatrais, montagem de presépios, ceia e almoços com gastronomia própria, comemorações sociais, foguetes, toque de sinos, confraternizações de amigo oculto, troca de presentes, folias de reis e pastorinhas, enfim uma epopéia de felicidade, intensa como uma maratona festiva

A Novena do Menino Jesus é um capítulo à parte. Realizada na Igreja do Rosário, edificada pela Irmandade mais antiga da cidade e uma das 3 mais antigas do Brasil, fundada em 1708, foi composta pelo compositor Padre José Maria Xavier e desde sempre é executada pela Orquestra Lira Sanjoanense, que por sua vez é a corporação musical ativa mais antiga das Américas.

Nos dias que antecedem o Natal, uma vasta programação de shows musicais, recitais e de concertos eruditos, nas praças públicas, nas escadarias dos principais edifícios, nos teatros e nas igrejas dão noção do quanto São João del-Rei ama a música e tem gosto em festejar a vinda do Salvador. E assim vão se sucedendo os dias...

O Tencão do Natal, dobrado e repicado nos sinos daquela igreja que foi dos escravos, no dia 24 de dezembro, pouco depois do meio-dia,  é toque de mestre. Mistura tencão, terentena, repiques e floreados em um ritmo melódico curioso e cheio de significados, que dura cerca de 20 minutos. Na metade da "obra" o sino maior, principal, dá nove badaladas, significando os nove meses da gestação de Nossa Senhora e o espaço de tempo entre uma badalada e outra é contado pela reza silenciosa de uma Ave Maria.

Às 23 horas da mesma noite, na mesma igreja, a Missa do Galo é tão bela quanto emocionante. Os fiéis aguardam na igreja em penumbra de poucas velas acesas, enevoada de incenso, a entrada do cortejo litúrgico, no qual o celebrante tem às mãos, erguido, um missal grande e grandioso, de prata. A missa começa nessa penumbra até que, à leitura do misterioso e singelo evangelho e ao canto do Glória, todas as luzes se acendem, os sinos tocam vigorosamente e foguetes estouram em profusão.

No entardecer do dia 25, na igreja do Rosário, às 17 horas, o canto do Te Deum e adoração a Jesus recém-nascido é sublime. Entre leituras, rezas, cantos e responsórios, em um determinado momento, na mesa da comunhão, o celebrante oferece para todos, um a um, beijarem ou tocarem, a imagem do pequeno Salvador - uma cena que mistura respeito, contrição, conforto, fé e esperança, fazendo o coração palpitar desritmado e os olhos orvalharem emoção.

Dias seguintes, as folias de reis e pastorinhas enchem de alegria os bairros e o centro histórico e, mesmo nesses tempos digitais, o memorável Presépio da Muxinga tanto encanta muitas crianças quanto faz virar criança muitos adultos.

Até que no dia 6 de janeiro, Dia de Reis, ou alguns anos no primeiro domingo do primeiro mês do ano, o menino Jesus sai em razoura, com seu pequenino trono sobre um andor florido, dando uma volta em torno da igreja e pelo largo do Rosário.

Os sinos tocam e a banda toca, espalhando no ar a alegria e a esperança de que, no dezembro seguinte, todos estejam vivos e com saúde, para ver o Natal São-joanense se repetir outra vez...

Clique e ouça as Matinas do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, 
obra do compositor são-joanense Padre José Maria Xavier
....................................................
Texto e foto: Antonio Emilio da Costa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…