Pular para o conteúdo principal

Procissão das Lágrimas. Tradição ímpar da Quaresma em São João del-Rei

Às nove da noite de ontem, o sino dos Passos fez dobres incomuns para uma quinta feira. Incomuns não fosse para informar à população são-joanense que naquele momento estava se encerrando a celebração do último dia do Setenário das Dores. E também para lembrar que o dia seguinte (sexta sexta-feira da Quaresma), em São João del-Rei é Sexta Feira das Lágrimas, ou da Soledade. E que haverá procissão, de Nossa Senhora das Dores, realizada pela Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos.

Mal o sino tocou o último dobre e na Matriz do Pilar - fechadas todas as portas - já se iniciaram providências e preparativos para a procissão desta noite. A imagem foi retirada do altar e arrumada no andor, conferindo-se com desmedido zelo o vestido roxo, a capa cor da noite, as joias, espadas e o diadema de estrelas. Em seguida, a colocada a arnica que, colhida na Serra do Lenheiro, será muito disputada ao final da procissão, tanto devido à força devocional da fé curativa quando ao poder de suas propriedades terapêutico-medicinais.  

Depois, foi montado o setecentista pálio vermelho, no qual reluzem, bordados a fio de ouro, um céu estrelado, suplícios e estigmas da Paixão do Senhor do Passos. E, por fim, revisadas as lanternas e tochas, verificando se as velas estavam no tamanho exato para durar as luminosas horas de todo o trajeto. Seguiu-se a isto o desfolhar de rosmaninho no chão da Matriz do Pilar, espalhando pela nave perfume tão próprio da Quaresma de São João del-Rei. 

Tudo pronto, logo no começo desta manhã as portas da Matriz se abriram, para os são-joanenses, durante todo o dia, fazerem visitas, orações e reverências a Nossa Senhora das Dores. Desde cedo e por várias vezes hoje o sino dos Passos dobra compassos lentos, longos, demorados e pungentes. Repetindo linguagem antiga, lança pelos ares avisos sonoros de que à noite haverá procissão, motetos, lembranças, saudades, lágrimas e bênção com a relíquia do Santo Lenho.

Logo depois que o sol se por, novamente o espírito de São João del-Rei, religiosamente, se perturbará, em silêncio, para dentro da própria alma. Será a noite da Soledade de Nossa Senhora, marcada pela Procissão das Lágrimas, nome hoje em desuso, mas muito adequado para o que se rememora: a volta da mãe de Jesus do local de sepultamento de Cristo para casa, relembrando todo o sofrimento do filho e vivendo, resignada e na plenitude, a própria dor.

O andor de Nossa Senhora das Dores que percorrerá as ruas do centro histórico de São João del-Rei é absolutamente austero, quase árido, desprovido de qualquer enfeite ou adereço. Sua sanefa é de saudade e suas palmas são de suspiro, ausência e desolação.

Nesta procissão Nossa Senhora vai envolta apenas em solidão e dor, parando contemplativa nas cinco capelas-passo da Paixão. Em cada uma, a Orquestra Ribeiro Bastos cantará  motetos longínquos, vários deles inspirados nas lamentações do profeta Jeremias. O mistério é tamanho que, quem se compenetrar, terá a impressão que o canto não quer transpassar o silêncio nem se espalhar pela noite. 

Muito envolvimento, respeito e fé. As celebrações dos Passos de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Setenário das Dores e a Semana Santa de São João del-Rei ainda se fundamentam emoção e sentimento.

Antes de recolher-se por mais um ano na catedral basílica de Nossa Senhora do Pilar, Senhora das Dores para diante do grande oratório da Piedade e, como a mirar-se a si própria em espelho imaginário, contempla a outra imagem, que está no alto do altar, ao pé da cruz, com Cristo morto em seu colo. Esta, portuguesa, veio para São João del-Rei no século XVIII.


Até alguns anos atrás, somente na Sexta Feira das Lágrimas o Passinho da Piedade era aberto. Agora, ele fica aberto para contemplação de fiéis e turistas também na Quinta Feira Santa e na Sexta Feira da Paixão. Mas não é a mesma coisa, pois nestes dois dias o oratório é, como certamente diria Carlos Drummond de Andrade, um belo e grande retrato na parede da paisagem do Largo do Rosário. Não tem a função de espaço sagrado que tão fortemente desempenha na Procissão da Soledade...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …