Pular para o conteúdo principal

O modernista Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral e a Semana Santa de São João del-Rei


Estamos em São João del-Rei, mais precisamente no Largo do Carmo, no ano de 1924. Pela sombra oblíqua projetada da esquerda para a direita, sabemos que devem ser, mais ou menos, 3 horas da tarde.

Um soldado, em primeiro plano, anda depressa, atravessando a praça, como a fugir da paisagem rumo ao Largo da Cruz. Dois meninos brincando, um homem de pé, encostado na monumental fachada, do lado oposto mais algumas crianças. Uma mulher, na janela, espia o dia  escorrer e a vida passar...

- Quem é aquele homem de terno preto e chapéu no centro da foto, de frente à portada?

- Ora, não é ninguém menos do que Oswald de Andrade!

Era abril, Semana Santa, e ele adentrava o interior de Minas para redescobrir o Brasil, na companhia da pintora Tarsila do Amaral e do poeta e intelectual francês Blaise Cendars.

Ficaram todos tão encantados com o que viram que, entre outros poemas, Oswald de Andrade, após descrever sumariamente nossa cidade por não encontrar para ela adjetivos, pediu aos brasileiros: Ide a São João del-Rei!

                             "São João del Rey
                               A fachada do Carmo
                               A igreja branca de São Francisco
                               Os morros
                               O Córrego do Lenheiro.

                                Ide a São João del Rey
                                De trem
                                Como os paulistas foram
                                A pé de ferro."

Comentários

  1. Nossa. Incrível essa história. Sou muito fã de Tarsila.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Surpreendente, não é, Thaís? São João del-Rei é muito rica de histórias que normalmente não se conhece. Obrigado pelo comentário. Conto sempre com suas visitas e com sua divulgação deste Almanaque Eletrônico. Grande abraço.

      Excluir
  2. Emílio, muito interessante esta foto. Ainda mais, pelos personagens envolvidos.

    ResponderExcluir
  3. Emílio, muito interessante esta foto. Ainda mais pelos personagens envolvidos.

    ResponderExcluir
  4. Pois é, Popó, a história de SJDR é tão rica, tem tantas pesquisas e tantos trabalhos produzidos ou em produção, mas nem sempre democratizados com a comunidade. Se fossem, com certeza conheceríamos mais coisas, inclusive fotos como esta. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. A ideia nasce de Blaise Cendrars quando esses modernistas viajam pelo Brasil a procura de uma arte verdadeiramente brasileira, daí que o Barroco mineiro é tido como arte nossa. Depois, os modernistas seguem até BH quando, ao final, funda-se o Instituto de Patrimonio Histórico.

    ResponderExcluir
  6. Exatamente. Vi certa vez um vídeo do IPHAN que mostrava entre outras coisas imagens (cenas?) desta viagem, creio que em SJDR. Pena que não guardei o nome. Obrigado por seu comentário!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …