Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei e a Folia de Reis a "Caminho da Salvação"


A passagem de folias de reis pelas ruas de São João del-Rei - do centro histórico às localidades mais periféricas - é tradição centenária, mas nos últimos anos andou perdendo força, pela falta de renovação em seus membros. É que a modernidade e a urbanização, com seus novos valores estéticos e apelos tecnológicos, aos mais jovens ainda parecem  opor a folia de reis tradicional ao status de progresso e evolução. Com isso, os grupos são-joanenses cada vez mais se tornaram menores e mais escassos, compostos em sua grande maioria por pessoas mais idosas.

Atentos a esta realidade, alguns intelectuais buscaram não só minimizar este enfraquecimento quanto valorizar a folia de reis, elevando a auto-estima de seus membros e das comunidades que as conservam, pensando na  revigoração desta importante expressão cultural popular do ciclo natalino. Foi assim que a Organização Não Governamental Atitude Cultural organizou e promoveu, durante mais de uma década, o Encontro das Folias de Reis e Pastorinhas de São João del-Rei, realizado sempre no fim-de-semana mais próximo do dia 6 de janeiro - Dia de Reis. Desde sua criação, 2015 será o primeiro ano que o Encontro não acontecerá.

Entretanto, já há alguns anos a cidade recebe dois interessantes grupos de folias de reis vindos da Zona da Mata mineira, que sem dúvida podem ser considerados uma versão contemporânea desta manifestação cultural. Em princípio, eles se diferem bastante das folias tradicionais, mas possuem a mesma função religiosa, utilizam a música como elemento evangelizador e emocionam a população do mesmo modo.

Contudo, não retratam a folia de outros tempos; são a folia na sua face mais atual. Formados por um grupo numeroso de jovens, com roupas coloridas e caracterização rica de adereços, mesmo com instrumentos "primitivos" (sanfonas, caixas, triângulos, reco-recos, cavaquinhos, violas) cantam em ritmo que mescla o rural, o country e o funk, músicas religiosas difundidas pela indústria de comunicação de massa, em geral cantadas pelo padre Marcelo Rossi.

Muito ricas em suas alegorias brilhantes, figuras fantasmagóricas compostas por chifres, aranhas, monstros e outros elementos míticos, iluminados a LED em simbólicas coreografias e acrobacias, sua passagem fala das trevas que cobriam a humanidade até que o nascimento de Jesus Cristo trouxesse luz ao mundo. Na noite tenebrosa de tantos figurantes em movimento, o estandarte santo corta ao meio a escuridão, como fez a Estrela Guia de Belém. Não é sem motivo que uma das folias se chama A Caminho da Salvação.

É impossível ignorar a passagem destas folias, a começar pelo grande número de seus membros, todos jovens, negros, de forte presença e vitalidade. Por onde transitam, eles ocupam, se apropriam e se assenhoream do espaço, convictos de sua importância e de sua missão evangelizadora, social e cultural. Isto lhes assegura visibilidade, respeito e reconhecimento.

Elas apontam um caminho para tradições que, por estarem se tornando frágeis, quase a perder sua função, encontrem novas formas, novas estéticas, novas linguagens e novas alternativas para manter sua finalidade cultural. Mostram que mesmo nas trevas é possível encontrar o Caminho da Salvação...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …