Pular para o conteúdo principal

São Sebastião: contra a peste, a fome, a guerra, a amargura e a tristeza, protetor de São João del-Rei


De um lado, o sonhado Eldorado. O ouro a rolar entre o redondo cascalho, a misturar-se às raízes do capim silvestre, a escorrer pelos fios d'água, a se infiltrar em veios profundos no meio do quartzo rochoso. De outro, a cobiça, a violência, a ganância, o desvario, as febres, as crenças, as trapaças, os homicídios, delírios, traições, desorientações e alucinações. No meio de tudo, no ponto de exato equilíbrio entre os lados extremos - a falta, a falsidade, o feitiço, a fúria e os funestos sentimentos.

Foi neste universo que São Sebastião chegou a São João del-Rei, mal amanhecera o século XVIII para, com seu lume, seu poder e suas flechas, abrandar os ânimos, abrir os caminhos, clarear as noites, iluminar as trevas da alma e proteger são-joanenses e forasteiros contra a peste, a fome e a guerra. Sua primeira casa foi a capela de capim e taipa, erguida no Morro do Bonfim e incendiada na Guerra dos Emboabas - idos de 1709. Mas ele sobreviveu e hoje vive altivo em altar dourado na Matriz de Nossa Senhora do Pilar. Pelos serviços prestados, desde aquela época São Sebastião é festejado com grande pompa em São João del-Rei, com novena barroca, toques de sino, folias e procissão, num culto que começa no dia 11 de janeiro e se estende até o dia 20 - sua grande data.

Santo guerreiro, quem dita o ritmo da procissão de São Sebastião é a banda do Batalhão, com uma marcha ora festiva, ora marcial. A guarda da Folia de São Sebastião, vestida de vermelho - com seu estandarte enfeitado e instrumentos de percussão e cordas - vai em meio ao cortejo, em silêncio, à frente do andor que leva o santo flechado entre palmas cor de sangue. Num trajeto curto e rápido, entre becos e largos, sinos tocam, fogos estouram. Quem vai para a guerra ou volta do combate tem pressa, não pode perder tempo!

À entrada da procissão, no adro da matriz, mas do lado de fora da igreja, a folia toca, canta e dança. Lá dentro, o padre dá a bênção do Santíssimo Sacramento enquanto a bicentenária orquestra toca e canta barroco Te Deum. Entre cantigas e responsórios, os sinos repicam floreados, tencões e terentenas. Envolta em nuvens de algodão doce, a noite cai ainda mais estrelada pelos fogos de artifício, cheirando a pipoca,a beijo quente e a amendoim torrado.

O povo de São João del-Rei, dentro e fora da igreja, em silêncio e pensamento suplica: São Sebastião, livrai-nos da peste, da fome e da guerra! - e, devoto, com gestos lentos e comedidos, faz o sinal da cruz. Por pior que esteja a vida, São Sebastião não lhes tem negado favores...

Veja, neste link, uma bela "Antíphona da Novena de São Sebastião", composta no século XIX pelo são-joanense Padre José Maria Xavier e aqui regida pelo maestro Marcelo Ramos, também são-joanense.


Aqui, uma apresentação da Folia de São Sebastião Embaixada Santa, do bairro Araçá - São João del-Rei.



ilustração: Ex-voto a São Sebastião / Rio das Mortes / São João del-Rei
( https://www.google.com.br/search?q=sao+sebasti%C3%A3o+sao+joao+del+rei&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=ft7WUtPuJYy4kQft84HADg&ved=0CAcQ_AUoAQ&biw=1600&bih=774#facrc=_&imgdii=_&imgrc=22Dqv0KC3hmsRM%253A%3B-HhwgjwWKgqf5M%3Bhttp%253A%252F%252F4.bp.blogspot.com%252F-JjO7JSupiGA%252FUV_3vWWQYUI%252FAAAAAAAAArw%252Fr-o85bZBL88%252Fs1600%252FEx-voto%252C%25252BRio%25252Bdas%25252BMortes%25252B(SJDR)%252C%25252B1905.jpg%3Bhttp%253A%252F%252Ffolclorevertentes.blogspot.com%252F2013_04_01_archive.html%3B1135%3B772)

Comentários

  1. Lindo texto, Emilio. Que Sebastião seja por nós e del-Rei. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Marcinho, o texto é só o registro de fatos na moldura de lembranças. Eles sim, os fatos - que ainda se repetem -, são mesmo sublimes. Salvemos a lembrança são-joanense de São Sebastião!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …