Pular para o conteúdo principal

Destombamento da Avenida Hermilo Alves deixou cicatriz inapagável na paisagem de São João del-Rei


Os representantes do povo, legitimados por meio do voto para o poder legislativo municipal, são defensores da memória coletiva da população que os elegeu? Lamentavelmente, nem sempre!

Em São João del-Rei, isto aconteceu no começo da década de 1990, mais precisamente no dia 21 de março de 1990, quando a Câmara Municipal promulgou a Lei Orgânica que destombou construções de valor histórico situadas na Avenida Hermilo Alves. A proposta, do vereador José Vicente Davin, deixou fortes, inapagáveis e irrecuperáveis cicatrizes no conjunto arquitetônico eclético daquela importante via são-joanense.

Na ocasião, a dois anos das grandiosas comemorações do Bicentenário da Inconfidência Mineira, o assunto ganhou destaque na imprensa de Minas Gerais e assim foi divulgado no jornal Hoje em Dia - página 25 do caderno Cultura -, edição de 05/04/1990:

"Prédios históricos estão sendo destombados
Em São João del-Rei, vereadores revogaram 
decreto que preservava construções especiais

Nos últimos tempos, os ventos, definitivamente, não sopram a favor da preservação do patrimônio histórico de Minas Gerais. (...) Desta vez os problemas vêm de São João del-Rei, uma das mais importantes cidades históricas de Minas, onde a Câmara de Vereadores, surpreendentemente, resolveu destombar prédios de valor histórico inquestionável, a despeito da vontade manifesta da população em contrário.

O destombamento foi feito através da Lei Orgânica, promulgada em 21/03/1990. Em seu artigo 227, ela revoga o Decreto-lei 1.506/86, assinado pelo então prefeito Cid Valério, que preservava todas as construções localizadas na Avenida Hermilo Alves.

Entre outros, estão nesta avenida os prédios da Prefeitura e do Teatro Municipal, o da Receita e da Rede Ferroviária Federal, prédios do Ministério do Exército, além da casa Dr. Arantes e de uma antiga leiteria, construída no início do século XX por imigrantes italianos. Todos estes prédios, registros da história da cidade, estão agora vulneráveis à ação de especuladores que, na ausência de uma lei proibitiva, podem descaracterizá-los, demoli-los ou praticar qualquer dano ao seu valor histórico, sem que nada possa ser feito.

Legislação - Os responsáveis por isto são os 13 vereadores  que votaram a favor da nova lei orgânica e, mais diretamente, do vereador José Vicente Davin, autor do artigo 227, que determina o destombamento. Segundo o artigo, "o tombamento atingirá somente as áreas tombadas pelas leis federal, estadual e federal." Em seu parágrafo único, completa: "Somente através da lei poderá haver tombamento por parte do poder público municipal, revogando os decretos-leis existentes." (...)

O Presidente da Câmara Municipal, João Eugênio de Carvalho, que também votou pelo destombamento, parece não estar tão bem informado sobre os danos que a nova lei pode trazer à sua cidade. Perguntado se os prédios de valor histórico comprovado estariam livres da ação especulatória, ele garantiu que havia leis que os protegiam. "Ficam expostas apenas as construções mais recentes. O resto não será destruído."   (...)

O próprio secretário-geral da Câmara, José Antônio Furtado, concorda com João Eugênio quanto à importância  das construções localizadas na Avenida Hermilo Alves. "E claro que ninguém vai destruir a Prefeitura ou o Teatro Municipal. Mas as outras construções são muito mais recentes e não têm qualquer valor histórico."

Inconstitucionalidade - Outra coisa que parece desconhecida pelos vereadores é que a Constituição determina que cabe ao município preservar seu patrimônio histórico e artístico e não legislar contra a preservação."

Felizmente, mesmo com algumas irreparáveis feridas, a Avenida Hermilo Alves sobreviveu a este despreparo da Câmara Municipal. E se fortaleceu com a instalação do Arquivo do Ibram / Ministério da Cultura em um casarão ao lado do Círculo Militar. Nesta importante via pública ficam, além da Prefeitura e do Teatro Municipal, e vários edifícios de estilo eclético, construídos em fins do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, como a Estação Ferroviária e outros edificados sob a égide progressista da chegada da Estrada de Ferro a São João del-Rei.

Que nosso povo aprenda, cada vez mais, a escolher nossos representantes e que nossos representantes, por sua vez, cada vez mais se capacitem para não ferirem - às vezes de morte - o que é caro para o povo que os elegeu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …