Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei, herói Tiradentes encontra Tancredo Neves. Séculos XVIII e XXI se abraçam!



Há 267 anos, no dia 12 de novembro de 1746, na capela de São Sebastião do Rio Abaixo, pertencente à paróquia da Vila de São João del-Rei, foi batizado um menino, nascido na Fazenda do Pombal, então pertencente à mesma Vila. Seu nome de batismo? Joaquim José da Silva Xavier. Apelido como ele ficou mais conhecido? Tiradentes. O maior herói de Minas Gerais e o grande símbolo do sentimento brasileiro de soberania e amor à liberdade.

Sua história, todo mundo sabe: não teve madrinha, era o quarto de nove irmãos, ficou órfão de mãe aos 9 anos, tornou-se dentista - daí o apelido Tiradentes - e alferes de cavalaria. Foi o grande idealizador da Inconfidência e o único sumariamente castigado com o sacrifício da morte em forca, diante da multidão. Esquartejado, seu corpo, antes suspenso no cadafalso, novamente fora elevado, em partes, pelos caminhos onde andou.

Transformado em símbolo, Tiradentes tornou-se um ente abstrato. Uma lembrança distante na cidade onde, historicamente, em 1746, ficava a Fazenda do Pombal. É nome de uma avenida importante, no centro cidade, e estátua em outra, face a face - quem sabe em diálogo - com a de Tancredo Neves. Mas não se transformou em um mito e, por isto mesmo, não povoa muito o imaginário dos são-joanenses. De algum modo, isto é compreensível. No período colonial foi considerado traidor da Coroa Portuguesa, praticante do crime de lesa-majestade, desonrado, derrotado e fracassado. Por isso, o desfecho de sua história por muito tempo não fazia bem para a autoestima de seus conterrâneos. Muito pelo contrário...

Às vezes, percebe-se que isto está mudando. Nas últimas décadas viu-se a cidade se mobilizar pelo reconhecimento como terra natal de Tiradentes, condição que mineiramente, de forma política buscando não desagradar a ninguém, foi partilhada, ignorando-se uma divisão geopolítica histórica. O bicentenário da Inconfidência Mineira foi celebrado com grandiosidade em São João del-Rei, com eventos que tiveram grande repercussão nacional, inclusive em segmentos políticos importantes como a Presidência da República.

Este ano já se encontrou, em uma loja de souvenirs do Largo do Rosário, uma escultura de papel marchê do herói Tiradentes, executada por um artista popular, representando o mártir, certamente na hora do enforcamento. Na prateleira para venda, ela estava ao lado de outra escultura de um são-joanense famoso, até hoje muito cultuado e, mesmo morto, muito festejado: Tancredo Neves. Ao fundo, como cenário, em relevo, a delicada e pequenina capela são-joanense de Santo Antônio.

Mesmo sem ter sido intenção, nem do artista, nem da dona da loja, que dispôs as peças na prateleira, este arranjo era uma expressão plástica - uma instalação. Colocou, em um mesmo tempo histórico e em um mesmo território, dois são-joanenses que figuram importantes na história nacional. Não levou Tancredo Neves para o século XVIII, mas trouxe Tiradentes para São João del-Rei do século XXI.

Que Tiradentes, agora com 267 anos, continue entre nós, inspirando nossas atitudes cidadãs e nossos artistas, eruditos e populares, nas suas criações. Pintores, escultores, ceramistas, músicos, atores, diretores de teatro, cineastas, chefs, produtores, professores, videomakers, bordadeiras, santeiros, escritores, cantores, carnavalescos, cantadores, repentistas, artistas plásticos, designers, webartistas, multimídias e muito mais...

............................................................................
Leia também
http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2012_11_01_archive.html

http://diretodesaojoaodelrei.blogspot.com.br/2011/11/sao-joao-del-rei-constroi-novo-sudario.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …