Pular para o conteúdo principal

Presépio da Muxinga é mágico: transforma São João del-Rei em Belém da Judeia. Há 84 anos!


A  Belém da Judeia, que há 84 anos existe em São João del-Rei, na aguda ladeira que os mortos sobem rumo à "sua derradeira morada", não fica em meio ao deserto. Ergue-se à sombra da Serra do Lenheiro, em paisagem absolutamente montanhosa, montanhesa, mineira, são-joanense. É lá que, desde 1929, Jesus, em seu mistério, também nasce.

Na Belém são-joanense, pacificamente, em meio a diminutas ruas e quintais, convivem galinhas, camelos, cavalos, vacas, elefantes, burros, galos, gatos e cachorros. Nela,o  ferreiro forja o ferro que faz o serrote que os serradores usam para serrar a madeira que o marceneiro usa em seu trabalho. Nela, tal qual o milagre dos peixes, o pescador tira da água o alimento que o jacaré deseja, mas que vai para a panela da cozinheira, que antes soca temperos para uma boa muqueca, assistida pela negra, que a tudo espana.

Nela, dois galos brigam, dois meninos brincam na gangorra, Papai Noel embala uma criança no balanço, um carrossel roda, uma roda gigante gira, um atleta se exercita, um homem racha lenha para a mulher negra que fuma cachimbo e vai acender o fogo enquanto outra, com um porrete veloz, espanta um gato que assusta o passarinho na gaiola e o cachorro, enfurecido, persegue o bichano que quer roupar carne. Ao redor, testemunhas vigilantes e em ronda, camelos, carneiros, elefantes e muito mais andam em fila indiana, cercando o que não é jogo do bicho.

Na Belém são-joanense, um velho cachorro assiste, enfadado, a tudo isso, e abre a boca. Nesta Belém, os burros concordam com tudo, acenando com as cabeças orelhudas, e alguns patinhos, inocentes, indiferentes e felizes, nadam circulares em volta da sonolenta tartaruga.

Também nesta Belém, um passarinho espanta de seu ninho o patinho feio, orfabandonado e intruso. Quer alimentar, cuidadoso, apenas seus filhotes. Igual a todo lugar, nesta Belém há um homem solitário, sentado em mesa de bar, consigo mesmo, garrafa e copo. O que lhe fere o peito e faz sangrar o coração, lhe molha os olhos, o que ele bebe, e bebendo engole, ninguém sabe. Tal qual na vida, só ele! E a dor...

Mas nem tudo está perdido, pois no Presépio da Muxinga tem sempre esperança; lá o tempo todo é Natal. Pelo menos na igreja que se destaca no universo urbano de invenção e fantasia, criado à imagem e semelhança da vida doméstica na São João del-rei dos começos 1900. Se fora dela a vida pulsa, flui e escorre, em seu interior, assistidos por anjos, reis magos e pastores, Nossa Senhora e São José embalam enternecidos o sorridente Jesus na mangedoura. 

Mais mágico tudo fica quando alguém, generosamente ou interessado, joga moeda ou nota no cofre fechado - qualquer valor, tanto faz. Por alguns instantes a luz ambiente se apaga e, durante o breve eclipse, a luz elétrica da cidade imaginada se acende em postes e lampiões. Os sinos da igreja tocam, um anjo incensa e a mangedoura balança.

É o mistério do Natal de lembrança e memória eterna para são-joanenses de todos os tempos. No Presépio da Muxinga,que ainda hoje existe atrás da Matriz do Pilar, na subida para o Cemitério das Almas...

Como surgiu o Presépio da Muxinga?

Ah!, isso é conversa pra outro dia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …