Pular para o conteúdo principal

As duas magníficas faces da Festa do Divino em São João del-Rei


O calendário cultural-religioso de São João del-Rei é tão vasto que grande parte dos são-joanenses, quando conversam sobre esse assunto, costumam citar apenas as festas que são mais grandiosamente tradicionais, como a Festa de Passos, a Semana Santa, a Festa da Boa Morte e as procissões de Nossa Senhora das Mercês, Nossa Senhora do Carmo e Nossa Senhora do Rosário.

Mas na verdade a fé são-joanense é marcada por muito mais eventos, entre os quais as celebrações de Pentecostes, cujo ponto máximo acontece no sétimo domingo depois do Domingo da Ressurreição. Na verdade, a festa começa muitos dias antes, com novenas e vários outros ritos muito peculiares.

Em nossa cidade, a Festa do Divino, considerando seu modo de expressão, tem duas faces, ou melhor, dois formatos, diferentes na linguagem  estética, mas igualmente bonitos e importantes: o de manifestação popular, sediado na paróquia de Matosinhos, e o de liturgia influenciada pelo barroco, promovido pela Paróquia do Pilar.

O primeiro é o Jubileu do Espírito Santo - uma herança da segunda metade do século XVIII, resgatada com muita honra nas últimas décadas do século XX e que chega aos nossos dias com grande dinamismo, entusiasmo e vigor. Lembrando os tempos passados, sua marca registrada é a presença das folias, grupos de congado e outras formas populares e espontâneas de expressão, muito ricas em seu ritmo marcante, suas cores vibrantes, sua estética telúrica e sonoridade cordiosa, como um coração batendo forte na Praça e nas ruas do bairro de Matosinhos. No entardecer do sábado, essa energia chega até o centro histórico em um majestoso cortejo, que parte da igreja de São Francisco de onde sai, em liteira carregada por soldados do Exército, Santo Antônio, que é o imperador perpétuo do Divino Espírito Santo.

Na Rua da Prata, na Ponte do Rosário, nas imediações das igrejas do Rosário, do Pilar e do Carmo, o movimento dos bares se surpreende, o povo para pra ver. Algumas casas ao redor do Rosário põem toalhas vermelhas nas janelas e na Rua da Cachaça, antigo 'antro' do Pecado e hoje Rua da Alegria, as casas enfeitam suas fachadas e até mesmo o chão, com folhas e flores.

De tempos em tempos e de espaços em espaços, mais folias vão se juntando ao cortejo, que percorre um roteiro e um território ora então sacralizados, pontuados por cruzeiros, grutas votivas, igrejas e capelas ou simplesmente referências urbanas populares, até chegar ao Santuário de Matosinhos, que é a sede de tudo, e tem inclusive um coreto para este fim. Durante todo o domingo, o bairro de Matosinhos e a Vila Santa Teresinha são o próprio império do Divino, com sua nobilíssima e coroada corte, seu séquito ininterrupto de folias e congadas, em movimento contínuo de cantoria e dança, até que a noite traga a procissão e a despedida: "agora só no ano que vem!", que é como, pesarosamente, se despede ao fim de cada festa anual religiosa ou profana em São João del-Rei.

A Festa do Divino Espírito Santo na capela da Rua das Flores também é intensa, mas ocorre em outra frequência. Dura onze dias, mas é centrada no ritual interno, onde o tom culminante é o dos sinos que, do alto da torre, na posição do mirante de uma fortaleza de onde se vigia toda a cidade, tocam demoradamente ao meio-dia, às três e às seis horas da tarde, depois ao final de cada novena, para lembrar que amanhã tem mais.

Na noite do sábado, véspera do grande dia, a Vigília de Pentecostes é uma cerimônia surpreendentemente bela, diferente em tudo do que é comum. É anunciada pelos sinos e por um foguetório, mas de início a nave do pequeno templo está na penumbra, iluminada apenas pelas velas do altar principal. Tudo seria silêncio se a capela não estivesse preenchida pelo som de um órgão denso, soprando música que se juntou a um canto solo masculino grave, como deve ter sido a voz de Deus antes de tudo, ordenando que a luz se afastasse das trevas, e que a terra se separrasse das águas, na criação do mundo.

Nesse ambiente, acendeu-se o fogo  em brasas. no centro da capela-mor e as labaredas lembraram aos crismandos e padrinhos em vigília as línguas de fogo que desceram sobre os apóstolos com os dons do Espírito Santo. Tudo estava então preparado para o Dia de Pentecostes, quando a Rua das Flores ganhou ainda mais vida e mais cor. Muitas casas se enfeitaram com bandeiras vermelhas, pombinhas brancas, jarros de flores de maio, balões, lanternas artesanais com velas enfileiradas ao longo da calçada, alegria e beleza que se repetiram na colonial Rua Santo Antônio.

Banda de música, carrinho de pipoca, de algodão doce, sinos, foguetes, fogos de artifício, confrarias com seus 'hábitos', irmandades com suas opas, lanternas, tochas, velas, os andores, os padres, o pálio, gente  alegre, rezando e cantando. A procissão também fez seu percurso e seu roteiro pelo território ora então sacralizado. Subiu a ladeira da Muxinga, passou em frente ao casarão do Presépio, ao lado dos dois portões dos cemitérios e, voltando ao seu ponto de partida, após a bênção do Santíssimo Sacramento, o povo de cá, entre alegria e pesar, também se despediu:"Até o ano que vem!"

.......................................................
Texto e foto: Antonio Emilio da Costa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…