Pular para o conteúdo principal

Presciliano Silva, dizem os músicos, é um dos maiores compositores sacros de São João del-Rei


Se "palavra de rei não volta atrás", de palavra de músico não se duvida. Escrita em pautas, é pura música, que se solfeja, toca e canta! Sendo assim, inegavelmente, Presciliano Silva é um dos mais importantes compositores barrocos de nossa região. E quem diz isso? Quem mais conhece desse assunto: os músicos mais velhos das setecentistas orquestras Lira Sanjoanense e Ribeiro Bastos e da Sociedade de Concertos Sinfônicos de São João del-Rei.

Mesmo quem não conhece seu nome, conhece algumas peças de sua obra, como a emocionante Ó Vos Omnes - uma das mais belas composições inspiradas nesta lamentação relativa ao sofrimento da mãe dolorosa, executada em diversos momentos da Festa de Passos e no rito da Comunhão, na tarde da Sexta-Feira da Paixão, na Matriz do Pilar.

Presciliano nasceu em São João del-Rei em 1854, onde sua carreira musical foi muito fértil, não só com obras de finalidade religiosa, mas também com composições para piano, atualmente desconhecidas, mas que foram editadas no início do século XX no Rio de Janeiro, pela Casa Editorial Henri Prealli.

Naquela época, São João del-Rei já se despedia do brilho esplendoroso do ciclo do ouro, mas já havia se consolidado como um polo de desenvolvimento regional, inclusive na produção musical. A vida cultural da cidade era pujante, com grandes compositores, companhias de música, a Casa da Ópera (1783), O Theatro São Joanense (1839), a Filarmônica São Joanense (1878), o Teatro 15 de Novembro (1910) e o Teatro Municipal (1893).

Sua carreira de compositor começou muito cedo, como discípulo de Martiniano Ribeiro Bastos. Contam que, quando o Imperador Pedro II esteve em nosssa cidade em 1881, para inaugurar a Estrada de Ferro Oeste de Minas, Presciliano tentou entregar-lhe uma partitura com o Hino do Imperador, de sua autoria, mas foi impedido. Porém a Princesa Izabel, que assistira a cena de uma janela, ordenou que lhe chamassem e pediu que nosso músico executasse sua composição, após o que  convidou-o para estudar na capital da Corte, o Rio de Janeiro. Verdade ou lenda, só os documentos, quando forem encontrados e pesquisados, poderão dizer...


Apesar de sua raça negra - que ainda hoje é vítima de criminoso racismo e de desumana discriminação -,  seu brilhantismo superou essas barreiras e abriu portas para que, com uma bolsa concedida pelo Imperador Pedro II, Presciliano deixasse o Brasil em 1879 rumo a Milão, onde, no Real Conservatório Escola de Música, aprimorou suas habilidades  como compositor. Carlos Gomes também esteve lá na mesma época, mas não se tem notícia de que eles tenham se encontrado naquela cidade italiana. Em Milão, Presciliano compôs uma Solene Encomendação para a Ordem Terceira do Carmo e a Missa para Pequena Orquestra, Opus 17, às vezes parcialmente executada em nossa cidade.

Voltando da Itália, Presciliano morou em Campinas, onde casou-se com uma descendente de alemães, Emília Sauerbron, e residiu em outras cidades fluminenses e paulistas, sempre atuando como professor de música, compositor e fundador de várias corporações musicais.

Ainda não se sabe quando nem onde Presciliano Silva faleceu, havendo uma especulação, não confirmada por documentos, de que ele morreu em sua terra natal, São João del-Rei.

Mas se isso é verdade ou mentira, não importa. O que importa mesmo é que Presciliano José da Silva continua muito vivo em São João del-Rei, onde suas músicas são executadas com grande esmero, com grande respeito e com muito orgulho pelos músicos das nossas orquestras setecentistas. Afinal, eles sabem que estão seguindo partituras que rgistram a obra genial de um dos mais importantes, sensíveis e notáveis compositores de nossa região, nascido no século XIX e para sempre consagrado no tricentenário panteão da música de São João del-Rei.

Palmas para o grande compositor! Bravo Presciliano Silva!

Texto: Antonio Emilio da Costa
Foto: reprodução da internet









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …