Pular para o conteúdo principal

Quanto vale a Legalidade deste Chafariz de São João del-Rei?


O centro histórico de São João del-Rei é rico de belas paisagens e templos tão grandiosos que alguns monumentos importantes, muitas vezes, passam despercebidos até mesmo da própria população. É o caso do Chafariz da Legalidade, que há um bom tempo está abandonado, sob o pretexto de estar em obras. Uma pena!

Ele é um monumento gracioso e delicado, erigido em 1833, para eternizar um momento importante da história da cidade, onze anos após a independência do Brasil. É o único chafariz de cantaria ainda existente em São João del-Rei e tem acabamento esmerado  e linhas arquitetônicas esbeltas  e elegantes, em um estilo artístico que nos leva de volta à época do Brasil Império.

Fica em um larguinho muito simpático, no muro de arrimo do Grupo Escolar Maria Tereza. É cercado por um jardim verde, hoje muito mal cuidado, mas que  poderia ser transformado em um orquidário, em uma área de convivência. Com pouco esforço e um modesto investimento, poderia se tornar até  um espaço cultural ao ar livre, ótimo para a realização de feirinhas, apresentações musicais, teatro a céu aberto e muitas outras atrações. Bastaria uma iluminação noturna adequada que se tornaria um lugar bucólico e romântico, sem igual em nossa terra e mesmo em outras cidades históricas.

Infelizmente o Chafariz enfrenta hoje uma realidade indigna para sua beleza e importância histórico-cultural. Há cerca de 3 anos, sob os auspícios do Programa de Aceleração do Crescimento das Cidades Históricas - PAC, proclamaram uma obra de requalificação do monumento e de seu entorno, mas na verdade começou aí uma triste história de descaso e degradação. Arrancaram-lhe o calçamento, destruíram-lhe o já maltratado jardim, cortaram árvores, retiraram alguns detalhes preciosos de sua arquitetura, cobriram-lhe com um tapume vergonhoso e, ...  Bem, não se fala mais nisso.

Sem dúvida, a restauração do Chafariz da Legalidade, com a requalificação de seu entorno é uma obra barata. Muito inferior ao que se gasta fazendo coisas culturalmente menos expressivas e de nenhum valor social. Se o poder público estivesse tão ruim das pernas, a ponto de não ter dinheiro para realizá-la, até um  setor da comunidade teria condições de, colaborativamente, viabilizá-la e presentear a cidade com mais este equipamento urbano.

Mas um dos maiores problemas de monumentos como o Chafariz é que tem muitos órgãos públicos para ditar normas, burocratizar, dificultar, complicar, inviabilizar e nenhum efetivamente comprometido com sua restauração e efetiva preservação da memória nacional. Além disso, falta competência até mesmo para fazer, com cuidado e capricho, uma obra simples, como a que precisa o "Larguinho da Legalidade". Ninguém verdadeiramente interessado na valorização dos espaços públicos, monumentos e territórios culturais de São João del-Rei.

Outro problema é a omissão da comunidade. Ela também não reconhece o valor histórico-cultural daquele monumento, não indaga a Prefeitura e os órgãos federais e estaduais responsáveis pelo patrimônio sobre o descaso do Chafariz da Legalidade. Os artistas e intelectuais também não vêem, não ocupam, não se apossam daquele território.

 E com isso, todos perdem! Inclusive a memória nacional...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…