Pular para o conteúdo principal

O diabo dia e noite no dia a dia da antiga São João del-Rei

Hoje as coisas estão muito diferentes, mas antigamente o diabo estava presente dia e noite em todas as coisas de São João del-Rei. Afinal, quanto maior for a religiosidade de um povo, mais canais e ambientes existem para as pessoas estabelecerem relacionamentos com o mundo sobrenatural. E sendo São João del-Rei uma cidade tão religiosa, imagine ...

Principalmente pelos são-joanenses mais simples, mais humildes, mais crédulos e menos letrados, a presença do anjo das trevas era muito temida. Chegava às vezes a ser pressentida e evitada, mas as vezes, em situações diversas, seu nome era exclamado e, mais raramente, até invocado. Quem nunca ouviu: - isso é coisa do diabo! ou, - mas que diabo, sô!, ou, ainda, - vai pro diabo que o carregue!?

Se fora de hora o galo fazia barulho estranho no galinheiro, tinha-o visto passar por perto. Se algum objeto ou documento misteriosamente sumia dentro de casa, era ele que tinha escondido. Se alguém se via diante de um desejo incontrolável de fazer algo impróprio ou condenável, era ele testando a fidelidade daquela alma ao Criador.

Aliás, até de falar seu nome tinham medo, pois se ele ouvisse poderia entender como um chamado e, então aparecer, de chifre e rabo, cheirando a enxofre, naquele local. Daí, quando queriam, ou precisavam, se referir a ele, falavam coisa-ruim, tentação, espírito mal, espírito ruim, senhor das trevas, capiroto e encardido. Este último condinome tinha o sentido de impuro, sujo, manchado, maculado ou seja, era o oposto absoluto à Imaculada Conceição, na sua divina pureza. O máximo que os antigos arriscavam dizer era capeta, nome que na escala perigosa e nefasta, era o degrau mais alto da escada decrescente que descia para diabo, demônio e, já nas profundezas do inferno, satanás e lucifer.

E  com isso, histórias e estórias brotavam de toda parte, principalmente no período da Quaresma, quando acreditavam, em São João del-Rei, que o "homem" estava solto. Como o caso de uma mulher que, no fim dos anos 50 e arredores da Bica da Prata / Rua Padre Faustino, desejosa de espantar os vizinhos negros de uma casa em frente à que ela morava, às 3 da tarde de toda sexta-feira, escondida atrás do muro, secretamente jogava pedras no telhado da casa dos desafetos. Burburinho formado, gente assustada, criança de olhos arregalados, ela saía de casa e vinha tranquila e plácida, dizendo ser aquilo coisa do diabo. Essa "marafunda" durou meses, com muita reza brava na rua e vizinhos ali queimando incenso em lata de  sardinha , até que um dia alguém à espreita flagrou o ato diabólico.

Denunciada publicamente em flagrante, a culpada culpou o diabo, mas a mulher testemunha ironicamente retrucou: uai, não sabia que você era o diabo, pois foi você quem vi jogando as pedras! Desconcertada, furiosa e desapontada, a vizinha endiabrada viu-se sem saída e começou a, esbravejadamente, chamar: - a alma dos ladrões! - a alma dos bandidos! - a alma dos assassinos! - a alma dos sem-vergonhas! - a alma das alcoviteiras! - a alma das putas! - a alma das mulheres da vida! - a alma das aborteiras! - a alma das feiticeiras! - a alma das mal-fazejas! - a alma dos demônios!... Nessa hora, num frênito, ela "rodopiou feito uma piorra" e correu para cair em uma beta funda na Bica da Prata. Mas foi interrompida a tempo e voltou a si esperneando as coxas brancas à mostra no ombro do negro alto e musculoso que a trouxe de volta para casa e para a realidade. Tava feito o exorcismo!

No começo dos anos 60, contavam também a história de uma moça que as 6 da tarde das sextas-feiras da Quaresma via o diabo perto dela, em uma casa na Rua do Ouro, ou Rua da Laje, e entrava em pânico.  Desesperada, gritava até desmaiar, o que só acontecia quando o sol se deitava atrás da Serra do Lenheiro. Quando e como essa história acabou ninguém sabe, pois quem contava, provavelmente por ter sido testemunha, já se mudou para o além, passando pelo portão do Cemitério da Boa Morte.

- Tudo isso pode parecer muito fantástico e fantasioso, mas você já imaginou o diabo morar na igreja? - Pois ele mora! E sabe onde? Em São João del-Rei!

Mais precisamente no Distrito de Santo Antonio do Rio das Mortes Pequeno, na igreja que tem no centro da praça. Na parede direita de quem entra, o coisa ruim está lá, desapontado, desconfiado e descontente. Magro mas firme e forte, tem às mãos uma promissória vencida e cobra a dívida de uma mulher, que é advogada pelo santo milagroso,  padroeiro daquele lugar, que é terra natal da beata Nhá Chica: Santo Antônio. E olha que, segundo a oração, Santo Antônio afugenta o demônio e faz aparecer as coisas perdidas!

Mas coitado do diabo! Nem que ele tenha rezado, a oração não deu resultado em seu favor, pois já se foram tantos séculos e  ele  ainda continua lá. Além disso, o dinheiro que a mulher lhe deve ainda não apareceu!...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…