Pular para o conteúdo principal

Salve a coroa do "Rei do Mundo" em São João del-Rei! Atotô, Obaluaiê!


Agosto, em São João del-Rei era um mês de grande apreensão. Céu de tempo revolto, de neblina ainda pela manhã, de nuvens em agitado movimento, o vento correndo frio e raivoso, varrendo em redemoinho folhas no chão, sacudindo com força as roupas nos varais, espalhando viroses...

Para muitos, agosto é mês de cachorro “zangado”, como se dizia antigamente dos cães contaminados pela raiva. Em uma era em que tudo era tranquilo e o mundo girava devagar, o oitavo mês do ano era também temido pela quantidade de acidentes que aconteciam naquele período, marcado pelo dia de São Bartolomeu, festejado em 24 de agosto. São Bartolomeu é  “santo bravo”; tão bravo que na noite de São Bartolomeu, no ano de 1572, praticou-se canibalismo nas cidades francesas de Lyon e Auxerre,  inclusive com venda de gordura, fígado e coração humanos. As vísceras eram assadas em braseiros, no meio das praças, conta Frei Beto, citando Jean de Léry. O sincretismo religioso afrobrasileiro associou São Bartolomeu ao orixá Oxumaré, a cobra do arco-íris, filho dos orixás Obaluaiê e Nanã.

Antes do dia de São Bartolomeu, também em agosto, o dia 16 é consagrado a São Roque, quando o sincretismo afrobrasileiro celebra Obaluaiê  ou Omulu – orixá da terra, que emerge do chão e domina várias doenças, entre elas a “peste bexiguenta”. Era assim que, antigamente, conheciam a varíola, temida pela capacidade de marcar a pele e até de matar, pela precariedade dos recursos de saúde daquele tempo. Coberto com um capuz comprido de finas fitas de palha da Costa que, soltas, lhe escondem todo o corpo, o constrangimento  e a vergonha pelas chagas e cicatrizes, em sua dança Obaluaiê manca, pula e gira, espalhando como em redemoinho a peste para os inimigos. Aos devotos ele cura, assim como os cachorros, lambendo, curaram as muitas chagas de São Roque.

A crença em Obaluaiê é tão grande que em agosto os terreiros realizam o Olubajé - um ritual, com cânticos sagrados, toques como o Opanijé (Deus que dança), comidas rituais africanas, chuva de pipoca, simbolizando a peste bexiguenta, cujas pústulas estouram como pipoca, e outros mistérios que só quem conhece Obaluaiê sabe.

Pelo umbigo negro desta terra vertente, desde o tempo do ouro os terreiros tradicionais de São João del-Rei  celebram o Olubajé, ou Tabuleiro de Obaluaiê ou de Omulu, nome que em yorubá, segundo alguns significa "Rei do Mundo" e para outros quer dizer "Fogo que vem da Terra". Sua saudação é Atotô.

A Associação Cultural Casa do Tesouro / Egbe Ile Onidewa Ase Igbolayo (Rua Vicente Cantelmo, 875, Bairro Guarda-Mor), por exemplo, abrirá os trabalhos do mês de agosto realizando, às 15 horas do dia primeiro, o Tabuleiro de Omulu.

Atotô, meu pai!, Atotô Obaluaê! Atotô Omulu! saúdarão os devotos daquela divindade africana, que atravessou o Oceano Atlântico trazida para o Brasil nos porões dos navios negreiros no século XVI. Poucas décadas depois, o "Rei do Mundo" chegou a São João del-Rei com os primeiros negros africanos, no raiar do século XVIII, mal surgira o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes.

Texto e foto: Antonio Emilio da Costa

Clique abaixo e conheça o toque do Opanijé.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …