Pular para o conteúdo principal

Dia do Sineiro fará bater ainda mais sonoro e feliz o coração de São João del-Rei


Ninguém duvida: os sinos são um dos mais importantes, consagrados, conhecidos e reconhecidos símbolos de São João del-Rei. Não precisa nem olhar para o alto nem estar perto de alguma igreja do centro histórico para perceber. Eles falam por si.Todo dia - uns mais outros menos - toda hora, sua metade e quartos, eles estão ali, marcando o tempo e as eras, tocando, dobrando, mandando mensagens, quase todas falando de Deus. Alguns, toques alegres, entusiasmados, festivos, outros, dobres dolentes, reflexivos, pungentes, tristes, fúnebres.

Chamadas para missas, momento do glória e da consagração, aviso de novena, saída, passagem e chegada de procissão, Te Deum, ofícios e funções litúrgicas especiais. Falecimentos. Enterros. Em São João del-Rei nada acontece sem a presença e a voz do sino. Até o Carnaval, quando várias vezes ele chama para as Quarenta Horas de Adoração ao Santíssimo Sacramento e avisa, às nove da noite da Terça-Feira Gorda, que dentro de três horas a Quarta-Feira de Cinzas trará a Quaresma, que é tempo de jejum, penitência e oração.

Mas o que é o sino sem o sineiro? Apenas um objeto de madeira, bronze e ferro, suspenso em um campanário, contemplativo a mirar dia e noite o céu e o horizonte. Sendo assim, tanto quanto os sinos, e junto deles, os sineiros também devem ser consagrados, conhecidos e reconhecidos como um dos mais importantes símbolos vivos de São João del-Rei.

É certo que sobretudo na última década e meia, e com absoluta justiça, cada dia mais os sineiros ocupam posição relevante na cultura de São João del-Rei. O ofício foi reconhecido como profissão; pesquisadores, estudiosos, acadêmicos e produtores culturais têm se dedicado a registrar suas histórias, inventariar os toques e dobres, gravar e filmar o corajoso míster que é "catar" o sino, colocá-lo "a pino" e "dobrá-lo" até exaurir as forças, repetidamente.

Entretanto, isto ainda é pouco, tendo em vista que a admiração que os são-joanenses nutrem por estes personagens - que são a um só tempo protagonistas e coadjuvantes das tradições barrocas de nossa cidade - é sempre individualizada no sineiro-instrumentista, que é o homem feito ou "em fazimento", dotado de habilidade, coragem e vocação para vibrar o metal, e não voltada para a "entidade", ou se preferirem para o "instituto", que é o sineiro. Aquilo de que se investe o instrumentista, homem ou menino, dotado de habilidade, coragem e vocação, quando sobe até as sineiras e toca, dobra, repica tencões, terentenas, floreados, tens-tolins, clens, batucadas, batucadinhas, canjica queimou, pé-de-galinha, Ângelus e tantos outros toques e dobres.

É pensando assim que este Almanaque Eletrônico Tencões & terentenas sugere a criação do Dia do Sineiro. Para ser legitimado pela representatividade coletiva, este ato poderia resultar de uma ação conjunta reunindo o Poder Público Municipal, a Diocese de São Joao del-Rei / Paróquia do Pilar e a comunidade cultural e acadêmica são-joanense.

Para tanto, há de se pensar em uma data muito digna e significativa e neste sentido esta sugestão ousa apresentar o dia 12 de novembro, data que, evocando o distante ano 1746, leva-nos ao Batismo de Tiradentes, e indiretamente ao altar da Capela da Fazenda do Pombal, patrimônio de inestimável valor pertencente ao Museu de Arte Sacra de São João del-Rei.

A criação da data ocasionará comemoração anual dos dois fatos, sem qualquer prejuízo para outras programações intermunicipais já existentes. Além disto, enriquecerá o calendário cívico-cultural são-joanense, renderá tributos de reverência a importantes personagens-símbolo de São João del-Rei de ontem e de hoje e contribuirá ainda mais para a valorização e perpetuação de um ofício que faz bater ainda mais sonoro e feliz o coração de nossa terra!
Texto: Antonio Emilio da Costa


..........................................................................
OBS - Foto colhida do Facebook, sem identificação. Por isto está sem crédito de autoria. Tão logo se identifique, será mencionado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …