Pular para o conteúdo principal

Fé, festa, arte, alegria, vida e cultura para saudar Nhá Chica no Rio das Mortes e em São João del-Rei


Em São João del-Rei, é muito difícil separar o que é fé do que é festa. Sempre foi assim, Desde os anos setecentos, quando Nossa Senhora do Pilar, padroeira, trouxe bandeirantes para este vale da Serra do Lenheiro e os fixou ao longo do curso d'água cujo nome faz lembrar a figura misteriosa que, no começo de tudo, era visto solitário a catar lenha e ervas nas encostas da serra.

Fé, festa, religiosidade, cultura, rituais, liturgias, teatro, música, artes plásticas, concertos, celebrações, gastronomias - tudo em São João del-Rei  é posto em prática sempre que chega a hora de lembrar a aliança que existe entre Deus e os são-joanenses e renovar votos de amor divino. Seja nas celebrações alegres, trágicas ou festivas, seja Natal, Paixão de Cristo ou exaltações a Nossa Senhora, em todas elas a arte está presente. Em sons, cores, perfumes, movimentos, sabores, visões, enfim em tudo o que prova ser o homem a mais perfeita obra da criação divina.

Assim será a comemoração do 203o aniversário do nascimento e batismo de Nhá Chica no Rio das Mortes, distrito de São João del-Rei: missas, serenatas, festejos,  novenas, retretas, procissões, foquetórios, cinema, orações, artesanato, alvoradas, teatro, meditações, toques de sino, exposições de arte, gastronomia, fé, confiança, autoestima, união, entusiasmo e alegria. Muito entusiasmo e alegria que, tal qual maná que outrora caiu do céu, são dádivas divinas.

Como os homens não são onipresentes, programação tão vasta não se realiza em poucos dias. Por isso, o distrito do Rio das Mortes e São João del-Rei estarão em festa por exatos dez dias - de 18 a 28 de abril - para lembrar, agradecer e render homenagens àquela que - hoje às vésperas de ser santificada pelo Vaticano - nasceu, foi batizada e passou sua infância entre as crianças, os animais, as plantas e a  sombra arroxeada e amena da Serra do Lenheiro, em Santo Antonio do Rio das Mortes Pequeno, distrito de São João del-Rei, no comecinho do século XIX.

Comentários

  1. Caro Emílio: Nhá Chica merece um grande festejo e o cenário para tanto é esplêndido, na Vila de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, terra de artistas. Ali palpita parte da alma são-joanense, festiva e cheia de fé, que como observou com perspicácia são valores que andam lado a lado. Parabéns pela postagem e o trabalho de difusão cultural de seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ulisses, querido irmão,

      que bom que estamos juntos - você com seu conhecimento, suas pesquisas, seus blogs e sua atuação e eu com este almanaque eletrônico, muita reflexão e troca de ideias - nesta missão de resgatar, preservar, difundir e propagar as riquezas culturais são-joanenses em toda a sua diversidade e amplitude.

      Juntos somos mais, juntos vamos mais longe...

      Grande abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…