Pular para o conteúdo principal

Museu de Arte Sacra é o oratório vivo da fé, da cultura e da arte de São João del-Rei


Quando o assunto é museu, São João del-Rei é uma cidade pródiga. Confirmando sua riqueza histórica e culltural, a terra onde os sinos falam tem, no mínimo, dez instituições culturais que de fato são, ou podem ser consideradas, museus. São elas o Museu Regional do IPHAN, Museu de Arte Sacra, Museu Ferroviário, Museu da FEB, Museu Municipal Tomé Portes d'El-Rei, Museu do Barro, Memorial Cardeal Dom Lucas, Memorial Presidente Tancredo Neves, o Centro de Referência Musical José Maria Neves e o Presépio da Muxinga, que bem poderia se tornar a semente do Museu do Natal. Há muito tempo, o Museu dos Sinos é um sonho, mas ainda não se realizou. Peças, memórias e registros visuais e sonoros para seu acervo é o que não faltam!

Mas o que torna um museu verdadeiramente importante e útil para a sociedade não é apenas o tamanho ou a riqueza de seu acervo. Mais do que isso, é principalmente a sua vitalidade enquanto instituição pública a serviço da memória, ou seja, os laços vivos que ele estabelece e alimenta com a comunidade local e o relacionamento que constrói e mantém com os moradores do lugar.

O Museu de Arte Sacra de São João del-Rei é assim. Possui e guarda, muito bem conservadas, peças históricas, principalmente religiosas, do tempo em que a cidade ainda não havia sido elevada a Vila e não passava de um povoado, batizado Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes, na primeira meia década do século XVIII. Imagens, objetos litúrgicos, paramentos, alfaias, ex-votos e até o altar, imagens e o sino da Capela de Nossa Senhora da Ajuda da Fazenda do Pombal, onde Tiradentes foi batizado em 1746. Tudo isso são apenas alguns exemplos, suficientes para provar que a cultura religiosa são-joanense é singular no cenário do Brasil Colônia e que aquela instituição é um espaço de memória respeitável.

Mas o Museu de Arte Sacra vai além. Posicionando-se contemporaneamente no tempo em que vivemos, desenvolve regularmente uma vasta e rica programação, que vai desde concertos e recitais diversos, em seu interior e no Largo do Rosário, onde fica, até exposições de artes plásticas e lançamento de livros. Desse modo, participa ativamente da vida cultural da cidade, promovendo eventos principalmente no Natal, Semana Santa, Inverno Cultural e outras ocasiões significativas para o povo são-joanense.

Parece bastante, não é mesmo? Mas espera que vem mais...

Sem perder nada para as mais modernas instituições similares, o Museu de Arte Sacra possui um programa multimídia, que ali apresenta detalhes da tradição religiosa de São João del-Rei, onde as peças expostas ganham vida em cerimônias litúrgicas nas igrejas e nas famosas procissões, e desenvolve um trabalho didático-pedagógico de valor incalculável: cria quebra-cabeças, jogos da memória e outros joguinhos infantis temáticos sobre a história de São João del-Rei, além de programar e receber a visita de turmas escolares infantis e juvenis são-joanenses, de outras cidades e de outros estados. Excursões, estudantes e grupos de terceira idade também recebem atenção especial, se necessário até com visitas guiadas.

O Museu possui ainda uma gráfica escola, onde adolescentes e jovens se capacitam em design gráfico de cartazes, folhetos e outros pequenos impressos, como os programas das festas das Irmandades de São João del-Rei. E para quem quiser aprofundar um pouco mais sobre o passado da cidade, o Museu possui uma pequena lojinha, com livros, cartazes, postais, vídeos e CDs sobre a história e a cultura de São Joao del-Rei, produzidos por são-joaneses.

..........................................................................Texto e foto: Antonio Emilio da Costa

Recital do consagrado violonista Octávio Deluchi no Museu de Arte Sacra de São João del-Rei

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …