Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei. Dentro do tempo tem Tempo. Do colonial ao barroco digital


Não é raro, aqui, ali e acolá, encontrar são-joanenses chorando pelo leite derramado. Desqualificando gratuitamente a cidade como patrimônio da cultura brasileira, pelo que se perdeu de sua paisagem urbana colonial e imperial. Mas também tem gente séria, sábia e comprometida refletindo produtivamente sobre esta situação.

É verdade, muito se perdeu, e a responsabilidade começa com o Estado, que não foi competente o bastante para agir, tanto com medidas protetoras quanto com ações convictas e enérgicas para impedir - e no que fosse possível e adequado reparar - demolições e descaracterizações. Mas a comunidade também tem grande parcela de culpa. Ignorante do valor da tão vasta riqueza histórico-patrimonial que era de sua propriedade, deixou-se enganar pelo canto da sereia da então modernidade do século XX, não zelou e destruiu muitas edificações que eram tão valiosas.

O mundo evolui, as cidades crescem, surgem novas necessidades urbanas e humanas e, se de lado nenhum vier inteligência, diretriz, conhecimento técnico e sensibilidade, é natural que muito do que é retrato do passado escorra pelos bueiros, Córrego do Lenheiro embora. Foi isto o que aconteceu. É isto o que, hoje, se tenta evitar. Mas em menor escala ainda acontece.

Simplesmente lamentar o que se foi, sem nenhuma contribuição a oferecer não leva a nada. Pelo contrário, acaba sendo uma atitude derrotista leviana, que fragiliza ainda mais o esforço para preservação do que ainda existe. As perdas, as agressões e os prejuízos à memória não podem ser esquecidos, mas precisam transformar-se em consciência em favor da proteção do que sobreviveu e do que ainda pode melhorar. E até em projetos voluntários concretos, como foi, por exemplo, a construção da capela do Divino Espírito Santo.

Uma ajuda poderosa tem vindo mediada por alguns recursos de comunicação e compartilhamento de informações, ideias, preocupações  e sentimentos muito atuais: a tecnologia digital e as redes sociais. Isto porque são-joanenses das mais diferentes idades e níveis social, econômico e cultural, simplesmente tendo à mão um smartphone, estão instrumentalizados e empoderados para fotografar e publicar no Facebook as belezas culturais de nossa cidade.

E fazem isto tanto em comunidades e grupos específicos quanto em perfis pessoais, utilizando o ambiente digital para divulgar também, às vezes até comparativamente, os dois momentos de São João del-Rei. De um lado paisagens, edificações e cenários que desapareceram, por força do tempo e pela inércia ou inadequada ação humana e de outro lado o que ainda hoje é motivo de orgulho de quem gosta de nossa cidade. Incluindo nisto tudo o patrimônio imaterial - das procissões e concertos eruditos até expressões populares, como personagens comuns e manifestações da cultura de nosso povo.

Alguns são-joanenses também utilizam os blogs pessoais ou institucionais como veículo útil para o registro, resgate e divulgação da história são-joanense. Artigos, fotos, vídeos, comentários, depoimentos, transcrição de documentos - tudo isto pode ser encontrado nos canais criados para valorizar e difundir a cultura de São João del-Rei.

Levantamento e catalogação deste universo, seus canais, protagonistas, estratégias, interesses e objetivos, merecem atenção e realização conjunta da Secretaria Municipal de Cultura com o Departamento de Comunicação da Universidade Federal de São João del-Rei. Os registros contemporâneos do tempo presente, à luz de um diálogo com velhas imagens, lembranças, crenças e documentos do passado são referências importantes para atuar no presente, com vistas no futuro.

Foto e texto: Antonio Emilio da Costa



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …