Pular para o conteúdo principal

São João del-Rei, templo do tempo, precisa pulsar no ritmo do coração


As cidades históricas são templos do tempo, são arcas da memória, são vertentes dos sonhos. Lugares sagrados, são testemunhas vivas de feitos e fatos, são o território da história, ou melhor são territórios onde a história habita.

Quem vive em uma cidade histórica precisa ter consciência do privilégio que é viver em terras que por si só são espaços de memória, lembranças e recordações, constituídos por suas ruas e avenidas, seus becos, seus largos e suas praças. Neles, igrejas, casarões e monumentos estão o tempo todo a silenciosamente contar o que viram ao longo de tantos séculos.

Quem administra uma cidade histórica precisa ter compromissos verdadeiros com a cultura e com a memória local, pois a saúde destes patrimônios depende muito de atitudes e decisões que só do poder público podem emanar. Principalmente os homens públicos têm na história a vitrine e o porta-retrato de sua competência, de seu comprometimento, de seus valores, da sua trajetória, do seu fazer.

Quem visita uma cidade historica precisa ter consciência de que está transitando em um santuário do tempo e da delicadeza, onde o ontem, ainda vivo, clama por respeito e aspira chegar à eternidade. Onde o ontem, ainda vivo e materializado, depende da sabedoria, da sensibilidade e das atitudes do homem de hoje para manter acesa sua memória, sempre pronta para resgatar personagens e revelar fatos do passado.

O trânsito urbano é hoje um problema que incomoda e preocupa cidadãos de vários países e a questão dos estacionamentos, então, é tão grave que chega a ser considerada alarmante. Mas esta é uma situação que não pode ser realidade nas cidades históricas, sob pena de danificar seus monumentos e quebrar toda a auréola de encanto que o tempo lhes coroou.

Mesmo nos tempos modernos, as cidades históricas continuam tendo vielas do paraíso, nas quais o bom senso pede não se transitar de carro, com pressa, mecanicamente. Estas vias foram feitas para se atravessar a pé, com a alma e o coração de mãos dadas com a bondade e com a lembrança de que os sonhos devem ser todos de felicidade.

As cidades históricas são lugares raros, não são lugares comuns. E precisam de amor, compromisso, responsabilidade, competência, racionalidade, zelo e soluções eficazes para continuarem sendo lugares raros. Inclusive, e principalmente, quando a ameaça é o trânsito...

Comentários

  1. Essa consciência falta em muitos administradores públicos e motoristas.

    ResponderExcluir
  2. Concordo integralmente com você, Eduardo, e até acrescento mais. Falta também na comunidade são-joanense como um todo e nos turistas.

    Entretanto, acho que cabe a nós não só disseminar esta consciência, inclusive com ações educacionais, mas cobrar do poder público o cumprimento de seu papel na preservação e salvaguarda de nosso patrimônio histórico. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Sensacional, providencial. Compartilhei e compartilharei para nós Daqui de Pitangui.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …