Pular para o conteúdo principal

Em São João del-Rei o come-quieto come melhor debaixo de seu próprio teto


A culinária de Minas tem lugar de destaque na cozinha brasileira. Dos saborosos e fartos pratos dominicais e festivos, capitaneados pelo lombo com tutu ou pelo feijão tropeiro, com arroz branco, couve e um enorme séquito de acompanhamentos,  onde se destacam o torresmo, a farofa, a maionese caseira, até o trivial feijão com arroz mais simples, feito à hora com verduras e legumes colhidos nos canteiros do quintal, que começa na porta da cozinha, e um ovo caipira frito, pego no ninho do galinheiro. Cachaça. Caipirinha de limão rosa ou de limão galego.Tudo que se come e se bebe na casa mineira é tão sagrado quanto foram o pão e o vinho na santa e última Ceia de Cristo com os apóstolos.

Talvez desse modo se explique o fato de, em sua terra, o mineiro nato não ser tão chegado a comer fora. O come-quieto sabe que o que há de melhor é o que ele come sob seu teto. Mas para ele, no rotineiro dia a dia, da porta da rua para fora, também tem pedaços do Paraíso; alguns espaços se salvam. São os bares simples, mais conhecidos como “copo sujo”, buteco ou botequim, onde se come petiscos caseiros, se bebe cachaça forte, pura ou com mel, e cerveja gelada em copo americano, muitas vezes em pé, no velho balcão.

Em São João del-Rei, salvo um ou outro, a maioria desses templos da corriqueira lambiscaria não fica no centro histórico e, por isso, em geral, não são vizinhos da barroco-oficial gastronomia. Suas pepitas de ouro são mesmo os torresmos crocantes; sua lascívia  escorre nas úmidas moelas ao molho de tomate, nas saborosas e escorregadias línguas, nas tenras carnes de panela, nos apimentados chouriços, linguiças, bifes de fígado e coraçãozinho de galinha – tudo para comer com pão ou angu molinho, fumegante e cheiroso, mexido na hora. Se a sorte for grande, se encontra até taioba rasgada refogada!

Onde ficam esses paraísos de perdição e felicidade em São João del-Rei? Ninguém diz, mas todo mundo sabe: no Céu, na Terra, em toda parte. É só dar um passo atrás, olhar em volta, descer do salto e apurar o faro. Certamente você vai encontrar uma porta aberta para o sublime e genuíno paladar do interior de Minas Gerais.

Existe até um “livreto”, chamado Entre Bares,no qual o mineiro muriaé-sanjoanense Beto Soldati e o francês-sanjoanense Pascal Servoz produziram um guia em que apresentam 7 botecos que são a alegria dos marmanjos e barbados de São João del-Rei. Com cardápio, estórias, histórias, avaliação e tudo...

Dizem que 7 é número de mentiroso, mas da palavra de Beto e de Pascal não se duvida. Por isso, tome um Engov antes, separe umas folhas de boldo e um Sonrisal para depois e vá conferir, nesta ordem, que é a do sumário do “libreto” Entre Bares:

1. Wilson’s Bar - Avenida 31 de março, 2.311 - Colônia do Marçal;
2. Rei do Tira Gosto - Rua Aureliano Pimentel, 146 - Fábricas;
3. Bar do Paulinho - Rua Fiscal José Pedro, 145 -    ;
4.  Penna’s Bar - Praça do Bonfim, 188 - Bonfim;
5. Tia Maria 2 - Praça da Biquinha, 1 168-A Biquinha/Tijuco;
6. Bar do Agostinho - Rua Alexandre Sbampato 27 / Praça Pedro Paulo - Matosinhos
7. Bar São Cristóvão - Rua Coronel Tamarindo, 210 - Rua do Barro / Centro.

Mas não faça isso de uma só vez. O risco é grande. Seja cauteloso e vá cada dia em um. No escolhido, jogue um gole pro santo no chão, atrás da porta e: Tim-tim! Saúde! Alegria! Boa Sorte!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…