Pular para o conteúdo principal

Ah! Estes doces e inocentes mistérios de São João del-Rei...


Em São João del-Rei, os santos são amigos. Gostam de se encontrar, de conversar e matar a saudade, nem que para isso seja preciso se desculpar com o bispo, desobedecer o pároco, contrariar as irmandades e até mesmo a vontade do povo, como às vezes acontece.

Quando resolvem colocar debaixo do braço auréolas e santidades, para sair do sério, basta apenas a oportunidade de uma procissão. Nestes dias, esperam somente o cortejo atravessar um largo e dobrar duas ou três esquinas para rapidamente recolherem do céu as estrelas e jogarem das nuvens um bom pé-d'água. Pode ser até que ele passe depois de alguns minutos, mas até que isto aconteça, o  povaréu já se dispersou. As irmandades encurtaram o caminho e os ilustres carregadores do andor, de lanternas e do pálio protetor da autoridade eclesiástica tomaram o rumo da igreja mais próxima, onde o santo - que estava a passear em procissão pelo centro histórico, ao som da banda e dos sinos - passará a noite.

Lá, ele se juntará a outros santos e anjos, que esperam apenas o sacristão fechar as portas e apagar a luz das velas para tagarelarem noite inteira e colocar em dia verso e prosa, para avivar e aquecer tão velhas amizades. Relembram das santidades que moram em outros templos; falam de penitências, sofrimentos, torturas, suplícios e martírios; riem dos apuros que tantas vezes passaram, quando viviam na Terra e ainda não tinham ganhado asas para o Céu. Confidenciam sortilégios da humanidade que lhes tiram o sono e confabulam planos para enganar o Mal, desviar seus caminhos, levando-o para bem longe de qualquer ser vivente. É isto o que Deus e os homens deles esperam.

Assim, de uma hora para outra, São Francisco desvia o trajeto e sobe a escadaria da igreja de São Gonçalo. São Sebastião para na igreja do Carmo. Nossa Senhora da Glória e a Santíssima Trindade entram às pressas no Hospital das Mercês. Nossa Senhora das Dores suspende a capa de céu noturno, tira o diadema de prata e estrelas e fica na igreja do Rosário. Senhor dos Passos resolve transferir o encontro com sua mãe no Largo das Mercês para o dia seguinte, segunda-feira e, como desculpa, faz chover à tardinha, no quarto domingo da Quaresma. Tudo para visitar o santo amigo e conversar com ele a noite inteira...

Depois do choro pela frustração da roupa nova molhada e de uma noite mágica escorrida em enxurrada pelos bueiros de pedra rumo ao Córrego do Lenheiro, era assim que as crianças de antigamente, quando chegavam de volta em casa, justificavam umas para as outras a chuva que pôs fim à procissão. E logo em seguida ficavam felizes de novo, sabendo que no dia seguinte a festa continuaria, a partir da igreja onde o santo parou.

Informante: Carmen Trindade da Costa, SJDR, 88 anos
........................................................
Texto e foto: Antonio Emilio da Costa


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …