Pular para o conteúdo principal

Quanto encanto na Festa de Passos de São João del-Rei


Nesta sexta-feira, que é a quarta da Quaresma, começa em São João del-Rei uma era muito profunda, quase ancestral, que, porém, dura não mais do que três dias: a Sexta-Feira das Dores, o Sábado de Passos e o Domingo do Encontro.

Os são-joanenses nativos ou adotivos, sabem de cor do que se trata, mas muita gente que é de outros lugares certamente não reconhecem em seu universo o sentido que tem aqui o quarto final de semana depois do Carnaval. Em São João del-Rei vive-se nestes dias, com grande liturgia, sentimentos e sensações, uma das mais emocionantes cenas da Paixão de Cristo. O Encontro de Jesus  coroado de espinhos, e todo machucado,carregando uma grande cruz nas costas, com sua mãe serenamente desolada, cujo coração foi transpassado por quatro espadas de prata.

Tudo remonta ao século XVIII. Das imagens e andores, ora enfeitados com manjericão, ora com hortências e orquídeas, até a rosmaninha cheirosa espalhada pelo chão das igrejas barrocas. Do incenso que enfumaça e perfume o ambiente até o vigoroso, triste e apavorado toque dos sinos. Das músicas coloniais que a banda toca e que a orquestra canta até a contrição e encantamento do coração do povo que reza nas missas e acompanha as procissões.

A representação desta cena bíblica, na forma como é a Festa de Passos em São João del-Rei, é um ritual barroco ímpar, original e tipicamente são-joanense. Em datas diferentes ele é realizado também em outras cidades, inclusive nas demais cidades históricas de Minas, mas em nenhuma delas tem a expressão e a grandiosidade das celebrações realizada na "terra onde os sinos falam".

Especialmente para quem é observador, atencioso, as solenidades promovidas pela Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos de São João del-Rei é um inestimável e único tesouro. Suas riquezas tricentenárias conjugam elementos estéticos sensoriais refinados e raros, envolvendo, ao mesmo tempo todos os sentidos - a visão, a audição, o olfato, o tato e até mesmo o paladar.

Por isto, ao assistir a Festa de Passos não deixe de observar estes detalhes:

. A ambiência mística da Matriz do Pilar com os andores velados, antes da saída dos depósitos
. A bênção no momento em que o velário do andor vai ser fechado para saída dos depósitos, ao som de um moteto cantado pela Orquestra Ribeiro Bastos.
. Os dobres dos sinos nas saídas, percurso e chegada dos depósitos nas igrejas do Carmo e de São Francisco
. O encontro das irmandades nas procissões dos depósitos, na Rua Direita e em frente à Prefeitura
. A retirada dos velários, ao som do canto do Miserere, quando da chegada dos andores nas duas igrejas acima
. A figura de Maria Madalena e sua naveta de perfume
. A figura de São João Evangelista, com sua tradicional túnica verde e manto pregueado vermelho, com diadema de prata, levando à mão um livro e uma pena de prata
. O pálio vermelho, bordado com fios de ouro um céu estrelado, os suplícios da Paixão e outros símbolos pascais
. As rasouras do domingo na igreja do Carmo (8h) e na igreja de São Francisco (9h)
. O pendão roxo SPQR que vai na frente da procissão do Encontro, saindo da igreja de São Francisco
. Os cinco passinhos da Paixão delicadamente enfeitados
. As marchas das Dores, dos Passos e do Encontro que as bandas tocam nas respectivas procissões
. A parada do andor de Nossa Senhora das Dores em frente ao Cemitério do Carmo, quando a orquestra, alinhada na frente do maravilhoso pórtico, canta o moteto Domine Jesu
. A maravilhosa Melodia Fúnebre que a Banda do 11o Regimento de Montanha toca no adro da igreja de São Francisco, antes da saída da rasoura do Senhor dos Passos
. A tradição de passar três vezes debaixo da cruz do Senhor dos Passos, rodeando o andor em sentido anti-horário e beijando a fita roxa que pende da imagem
. Os anjinhos nas procissões, os altostocheiros de prata que vão à frente dos cortejos e as varas de prata com insignias de seus cargos, que os mesários das irmandades carregam
. O modo como as partituras são fixados com pregadores de madeira na parte de trás das golas dos músicos das bandas de música
. Os penachos de papel crepom roxo enfeitando os badalos dos sinos. Com o dobras dos sinos as fitas roxas vão se desprendendo, algumas caindo no chão e telhados e outras voando pelos ares, todas se movimentando com o vento


................................................................
Texto: Antônio Emilio da Costa
Foto: Sidney Saab

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debaixo de São João del-Rei, existe uma São João del-Rei subterrânea que ninguém conhece.

Debaixo de São João del-Rei existe uma outra São João del-Rei. Subterrânea, de pedra, cheia de ruas, travessas e becos, abertos por escravos no subsolo são-joanense no século XVIII, ao mesmo tempo em que construíam as igrejas de ouro e as pontes de pedra.

A esta cidade ainda ora oculta se chega por 20 betas de grande profundidade, cavadas na rocha terra adentro há certos 300 anos.  Elas se comunicam por meio de longas, estreitas e escuras galerias - veias  e umbigo do ventre mineral de onde se extraíu, durante dois séculos, o metal dourado que valia mais do que o sol.

Não se tem notícia de outra cidade de Minas que tenha igual patrimônio debaixo de seu visível patrimônio. Por isto, quando estas betas tiverem sido limpas e tratadas como um bem histórico, darão a São João del-Rei um atrativo turístico que será único, no Brasil e no mundo.

Atualmente, uma beta, nas imediações do centro histórico, já pode ser visitada e percorrida. Faltam outras 19, já mapeadas, dependendo da sensibiliza…

Padre José Maria Xavier, nascido em São João del-Rei, tinha na testa a estrela da música barroca oitocentista

 Certamente, há quase duzentos anos, ninguém ouviu quando um coro de anjos cantou sobre São João del-Rei. Anunciava que, no dia 23 de agosto de 1819, numa esquina da Rua Santo Antônio, nasceria uma criança mulata, trazendo nas linhas das mãos um destino brilhante: ser um dos grandes - senão o maior - músico colonial mineiro do século XIX. Pouco mais de um mês de nascido, no dia 27 de setembro, (consagrado a São Cosme e São Damião) em cerimônia na Matriz do Pilar, o infante foi batizado com o nome José Maria Xavier.

Ainda na infância, o menino mostrou gosto e vocação para música. Primeiro nos estudos de solfejo, com seu tio, Francisco de Paula Miranda, e, em seguida dominando o violino e o clarinete. Da infância para a adolescência, da música para o estudo das linguas, José Maria aprendeu Latim e Francês, complementando os estudos com História, Geografia e Filosofia. Tão consistente era seu conhecimento que necessitou de apenas um ano para cursar Teologia em Mariana. Assim, já ordenado…

Em São João del-Rei não se duvida: há 250 anos, Tiradentes bem andou pela Rua da Cachaça...

As ruas do centro histórico de São João del-Rei são tão antigas que muitas delas são citadas em documentos datados das primeiras décadas do século XVIII. Salvo poucas exceções, mantiveram seu traçado original, o que permite compreender como era o centro urbano são-joanense logo que o Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar do Rio das Mortes tornou-se Vila de São João del-Rei.
O Largo do Rosário, por exemplo, atual Praça Embaixador Gastão da Cunha, surgiu antes mesmo de 1719, pois naquele ano foi benta a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, nele situada e que originalmente lhe deu nome. Também neste ano já existia o Largo da Câmara, hoje, Praça Francisco Neves, conforme registro da compra de imóveis naquele local, para abrigar a sede da Câmara de São João del-Rei. A Rua Resende Costa, que liga o Largo do Carmo ao Largo da Cruz, antigamente chamava-se Rua São Miguel e, em 1727, tinha lojas legalizadas, funcionando com autorização fornecida pelo Senado da Câmara daquela Vila colonial.  Por …